Por que doenças pulmonares são risco para a Covid-19? Infectologista explica


Da CNN
01 de agosto de 2020 às 13:03 | Atualizado 01 de agosto de 2020 às 14:25

Além de danos aos pulmões, a infecção pelo novo coronavírus pode agravar outras doenças respiratórias pré-existentes. Segundo explicou à CNN o infectologista João Prats, médico do hospital Beneficência Portuguesa, pessoas com asma ou enfisema pulmonar, por exemplo, podem apresentar piora no quadro crônico.

"Quando você tem uma infecção como a Covid-19, pode piorar essa crise [de asma] e serão dois problemas: a doença pela Covid-19 e a piora da sua própria doença respiratória. Além disso, em várias doenças pulmonares você tem um pulmão menos saudável para te proteger e é mais fácil esse acometimento [pelo coronavírus] ser mais grave", explicou.

O médico disse que pesquisas ainda investigam o surgimento de sequelas após a recuperação pela Covid-19, no entanto, evidências já indicam que cerca de 25% dos pacientes recuperados apresentam vestígios da infecção. "É importante deixar claro que não são sequelas graves, a maioria é bastante leve e detectável em exames específicos, sem grande prejuízo na vida dessas pessoas", esclareceu o médico.

Leia mais:

Carga viral em crianças pode ser 100 vezes maior do que em adultos

Países com vacina obrigatória para tuberculose têm menos mortes por Covid-19

Novo coronavírus pode estar em circulação silenciosa entre morcegos há décadas

Prats explicou que são consideradas sequelas graves são aquelas que demandam o uso de oxigênio ou impõem limitações para exercer atividades diárias. "Isso parece ser raro nos casos de coronavírus, mas comum em pacientes extramemente graves e, mesmo nesses casos, isso vai se resolve na grande maioria."

O médico ainda destacou que levar um estilo de vida saudável pode ajudar no desenvolvimento de quadros menos graves da Covid-19. "Estudos indicam que quem faz exercícios físicos pode ter casos mais leves. Outra coisa é quem tem doença crônica e ela está bem tratada, com consultas e medicamentos em dia, também pode ter a forma mais leve do coronavírus", concluiu.

(Edição: Leonardo Lellis)