Fabricantes de seringa querem aumentar produção em meio à expectativa por vacina

Em nota, o Ministério da Saúde informou que já está no processo de adquirir 110 milhões de seringas

Da CNN
10 de agosto de 2020 às 08:05

Em meio à corrida pela vacina contra a Covid-19, empresas do setor de produção de seringas estão se programando para aumentar a capacidade produtiva.

Atualmente o setor tem capacidade de produzir 1,5 bilhão de seringas por ano no país. A estimava é que mais 400 milhões de unidades serão necessárias no momento em que uma vacinação contra o novo coronavírus for anunciada.

Leia, assista e ouça também:

Tratamento promissor da Covid-19 é teste para a distribuição de vacinas nos EUA
Os avanços na produção da vacina para a Covid-19
'É bom não contar tanto com a vacina', alerta ex-presidente da Anvisa

Hoje, são necessários cinco meses para a produção de 50 milhões de seringas. Por isso, o setor quer fechar contratos de licitação com três a seis meses de antecedência, a fim de evitar que faltem itens no momento da vacinação.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que já está no processo de adquirir 110 milhões de seringas.

Na sexta-feira (7), o governo federal publicou a Medida Provisória (MP) que abre crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão para o Ministério da Saúde empregar em ações no combate à pandemia do novo coronavírus, o que inclui a liberação do valor para que seja viabilizada a produção e aquisição da vacina contra a Covid-19, produzida pelo laboratório AstraZeneca e Universidade de Oxford.

Os resultados preliminares das Fases 1 e 2 dos testes da vacina para a Covid-19 sugerem que ela é segura e induz uma rápida resposta imunológica. 

A vacina está sendo testada desde junho no Brasil em Fase 3 de estudos clínicos, em um estudo liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

(Edição: André Rigue)