Pazuello quer diagnóstico e tratamento precoce contra 'sangramento' da pandemia

'Não está correto ficar em casa doente, com sintomas, até passar mal com falta de ar', disse o ministro interino da Saúde

Da CNN
10 de agosto de 2020 às 11:45 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 15:00

O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse nesta segunda-feira (10) que medidas de distanciamento social são de responsabilidade de Estados e municípios e a pasta as apoia, mas ressaltou que o essencial para "parar o sangramento" das mortes provocadas pela pandemia de Covid-19 é o diagnóstico precoce e o tratamento imediato da doença.

Leia mais:
'É bom não contar tanto com a vacina', alerta ex-presidente da Anvisa
'A gente só pode lamentar, né?', diz Mourão sobre 100 mil mortes por Covid-19

"Não está correto ficar em casa doente, com sintomas, até passar mal com falta de ar. Isso não funciona, não funcionou e deu no que deu e nós há dois meses já mudamos esse protocolo", disse Pazuello durante cerimônia de inauguração de um centro de testagem para o coronavírus da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

"Medidas preventivas e afastamento social são medidas de gestão dos municípios e Estados, e nós apoiamos todas elas, porque quem sabe o que é necessário naquele momento precisa de apoio, e nós apoiamos. Mas fica a lembrança, indepdendentemente da medida que se tome, tem que estar aliada à capacidade de triar e procurar se as pessoas estão ou não com sintomas o tempo todo", acrescentou o ministro.

'Não é um número que fará a diferença'

Sobre a marca de 100 mil mortes provocadas pela Covid-19, atingida no sábado, Pazuello disse que o número não interfere nas medidas de combate à doença.

"Todos os dias sofremos as perdas. Não é um número que vai fazer a diferença, mas cada brasileiro que se perde", declarou. 

O ministro já havia se manifestado sobre as mortes através de um comunicado, no último  sábado. No entanto, foi a primeira vez que ele citou o número de 100 mil óbitos.

(Com informações da Reuters e de Paula Martini, do Rio de Janeiro)