Doria afirma que vacina anunciada pela Rússia não será produzida em SP


Da CNN
11 de agosto de 2020 às 10:53 | Atualizado 11 de agosto de 2020 às 12:03

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta terça-feira (11) que, por enquanto, a vacina contra a Covid-19 anunciada pela Rússia não será produzida no estado. A declaração foi feita em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Doria frisou que o governo seguirá concentrado nos esforços para a produção da CoronaVac, que é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. 

De acordo com o diretor da instuição paulista, Dimas Covas, a vacina estará liberada para a produção no país em outubro, mas vai depender de resultados positivos na fase 3 de testes para estar disponível para aplicação em humanos.

No final de julho, Dimas Covas afirmou que a Rússia procurou o Instituto Butantan para uma possível parceria na produção da vacina desenvolvida pelo país. Segundo ele, a instituição pediu mais dados técnicos sobre a substância, mas não recebeu retorno.

Leia e assista também:

Rússia registra a primeira vacina contra Covid-19 do mundo, anuncia Putin
Rússia procurou SP para possível parceria na produção de vacina, diz governo
Duterte diz ter 'grande confiança' em vacina russa e se voluntaria para teste
A vacina da Rússia para a Covid-19 é confiável?

João Doria

Governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa sobre coronavírus

Foto: Governo do Estado de São Paulo - 26.jun.2020

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou a medida provisória que abre crédito extra de cerca de R$ 2 bilhões no orçamento federal e abre caminho para a produção da vacina para Covid-19 de Oxford e da farmacêutica AstraZeneca.

Vacina russa

Nesta terça-feira (11), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou que o Ministério da Saúde do país concedeu a aprovação regulatória para a primeira vacina contra Covid-19 do mundo, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, após menos de dois meses de testes em humanos.

O desenvolvimento acelerado da substância preocupa especialistas, além de despertar dúvidas sobre a segurança, eficácia e a possível supressão de etapas essenciais no processo. Até o momento, a Rússia não divulgou dados científicos sobre os testes de sua vacina.

Leia também:

Após anúncio da Rússia, Brasil diz que apoia qualquer vacina que seja eficaz

Falando ao vivo por teleconferência com os ministros do seu gabinete, Putin disse que a substância passou por todos os controles necessários, e espera que a Rússia comece em breve a produção em massa da vacina.

"Uma vacina contra o novo coronavírus foi registrada pela primeira vez no mundo nesta manhã", afirmou Putin. "Eu sei que ela funciona de maneira bastante eficaz, formando uma imunidade estável", continuou. "Somos os primeiros a registrá-la. Espero que o trabaho dos nossos colegas estrangeiros também se desenvolva, e muitos produtos vão aparecer no mercado internacional."

(Edição: André Rigue)