Correspondente Médico: Como a ansiedade pode influenciar na alimentação?

Tema aparece entre os mais pesquisados durante a pandemia no Brasil

Da CNN
17 de agosto de 2020 às 10:00

Em tempos de pandemia, a ansiedade ganhou ainda mais espaço na vida dos brasileiros. De acordo com o Google, o tema foi buscado três vezes mais no país durante a pandemia. 

De 16 países, o Brasil é o que mais sofre de ansiedade como resultado da pandemia da Covid-19. É o que mostra uma pesquisa divulgada pela Ipsos, que entrevistou 16.038 adultos em 16 países sobre os efeitos comportamentais do surto do novo coronavírus. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. 

Na edição desta segunda-feira (17) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou qual a relação entre a ansiedade e o transtorno alimentar. O médico também listou quais são os sintomas. "Nosso cérebro fica preparado, sempre atento, para medidas a serem tomadas e como amenizar danos", iniciou. 

O quadro de ansiedade pode desencadear alguns problemas. "Existe uma forma natural de se abrandar esta sensação desconfortável. Vai de roer unhas até o ato de comer de uma forma descontrolada", disse. E completou: "O indivíduo às vezes nem lembra o sabor ou o que comeu. A pessoa come por um outro motivo". 

Leia também:

Correspondente Médico: Quais as causas do transtorno de ansiedade e como tratar?

Como a leitura pode combater a ansiedade na pandemia

Brasil é o país que mais sofre de ansiedade por pandemia, diz pesquisa

Correspondente Médico: Como a ansiedade pode influenciar na alimentação?
Foto: Reprodução/CNN

De acordo com o neurocirurgião, existe um motivo biológico para que o ser humano busque por alimentação. No entanto, é preciso ficar atento às 'recompensas' que satisfazem temporariamente o cérebro e que influenciam na compulsão alimentar. 

"Temos um caminho natural de busca pela saciedade, no hipotálamo. Além disso, a sociedade 'organizou' as refeições por horários. Mas também existe um outro caminho que a alimentação participa, que é o acionamento do circuito de recompensa cerebral. O problema é quando o indivíduo está muito ansioso e ele busca abrandar esta situação liberando dopamina a partir deste circuito de recompensa. Por isso é natural que a pessoa busque o ato de comer para ter a sensação de tranquilidade", pontuou.

Esta sensação normalmente acende um alerta para a saúde do indivíduo. Ela é promovida principalmente por alimentos gordurosos e ricos em açúcar.

"Como o nosso cérebro gasta muita energia, a própria natureza deu essa possibilidade de elencar o que é mais vantajoso. Portanto, uma comida rápida e fácil digestão, vai me oferecer mais energia. O detalhe é que isso vai ter um preço na saúde. A compulsão alimentar acaba entrando com um custo muito caro e compromete a saúde. É preciso ter atenção e buscar ajuda profissional se necessário", finalizou.

(Edição: André Rigue)