Pesquisa observa sequelas psicológicas três meses após contaminação por Covid-19

Pesquisadores avaliaram, entre janeiro e agosto deste ano, mais de 62 mil casos de Covid-19 através de registros eletrônicos de saúde

Giulia Pereira* Da CNN, em São Paulo
19 de agosto de 2020 às 19:56

Pacientes que tiveram quadros graves de Covid-19 poderiam desenvolver doenças psicológicas, como ansiedade e depressão, mesmo sem histórico psiquiátrico. A constatação foi divulgada em um estudo da Universidade de Oxford, publicado na plataforma científica medRxiv no último domingo, 15. 

Os pesquisadores avaliaram, entre janeiro e agosto deste ano, mais de 62 mil casos de Covid-19 através de registros eletrônicos de saúde, e constataram que as doenças podem ser observadas em até três meses depois da infecção. Foi registrado o aumento nos diagnósticos principalmente de transtornos de ansiedade, como também de depressão, insônia, demência e estresse pós-traumático.

Leia e assista também

Pacientes recuperados da Covid-19 precisam de reabilitação para tratar sequelas

Casos graves de Covid-19: sequelas vão desde perda do olfato a embolia pulmonar

Covid-19: É possível ser infectado mais de uma vez pelo novo coronavírus?

Quando teremos uma vacina eficaz contra a Covid-19?

Dos casos avaliados, aproximadamente 5% pacientes apresentaram a incidência de doenças mentais entre o período de 14 a 90 dias depois do diagnóstico da Covid-19. Os casos de demência foram observados principalmente em pacientes com mais de 65 anos. 

Os pesquisadores do estudo também levantaram a hipótese de que o risco de sequelas psiquiátricas podem ser observadas durante qualquer crise envolvendo saúde pública. Casos como o medo do vírus, sobrecarga do sistema de saúde e limitação social são usados como exemplos para explicar a incidência dos sintomas. 

No entanto, ainda não há evidências científicas sobre a relação de transtornos psicóticos e a Covid-19 e o estudo de Oxford não foi revisado pela comunidade médica, o que é necessário para contestar sua validade. 

*sob supervisão de Giovanna Bronze