Brasil registra 553 mortes e 45.961 infectados pela Covid-19 em 24 horas

O país é o segundo mais afetado pela Covid-19 no mundo. Os Estados Unidos lideram o trágico ranking, tendo ultrapassado a marca dos 6 milhões de infectados

Sinara Peixoto, da CNN em São Paulo
31 de agosto de 2020 às 18:50 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 20:33

O Brasil registrou nesta segunda-feira (31) mais 553 mortes e 45.961 pessoas infectadas pela Covid-19 em 24 horas. Ao todo, o país soma 3.908.272 diagnósticos e 121.381 mortos pela doença causada pelo novo coronavírus. 

A contagem mostra as confirmações feitas desde a tarde do dia anterior, independentemente da data em que os casos tenham ocorrido. Há análises que demoram dias ou semanas para serem concluídas.

O país é o segundo mais afetado pela Covid-19 no mundo. Os Estados Unidos lideram o trágico ranking, tendo ultrapassado a marca dos 6 milhões de infectados nesta segunda. Até o momento, são mais de 183 mil mortos naquele país. 

Leia também:

Com temperaturas altas, aglomerações são registradas em SP e RJ

Sem respeitar regras, cariocas lotam praias em domingo de sol no Rio de Janeiro

Distanciamento de 1 ou 2 metros pode não bastar para evitar contágio da Covid-19

Aglomerações no fim de semana

Embora a doença ainda mate 500 pessoas diariamente no país, no fim de semana foram registrados flagrantes de aglomeração em São Paulo e no Rio de Janeiro. Imagens mostram locais lotados, apesar das restrições durante a pandemia, que ainda não foi controlada. 

O chefe de infectologista da Unesp e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alexandre Naime, acredita que a população está confusa quanto ao momento da pandemia.

"Está existindo uma grande confusão por parte da população do que significa flexibilização e normalização. Não vivemos, infelizmente, no Brasil, um período em que se permita voltar ao estado normal das coisas: aglomerar, ficar junto, confraternizar", analisa.

Praia da Barra lotada de banhistas em domingo de sol
Foto: Reprodução

"Se a praia fosse utilizada por núcleos que moram no mesmo domicílio, não teria problema, mas o que vemos é uma grande aglomeração de pessoas que não têm contato direto e acabam podendo ser transmissores do vírus", continua.

"Flexibilização não é normalização. A flexibilização propõe uma adaptação a um novo normal: usar máscara, manter distanciamento e higienização das mãos. O vírus ainda circula com bastante força, temos que aprender a conviver com ele até que chegue uma vacina efetiva. O ar livre não impede a transmissão por gotículas", ressalta Naime.

As pessoas deixaram de se preocupar com a contaminação? "Esse fenômeno é conhecido como perda de percepção de risco. As pessoas se acostumaram com isso. A banalização da tragédia é comum no Brasil. Na Covid-19 isso é muito perigoso, porque o número de óbitos pode aumentar de forma trágica", alerta o infectologista.