Azitromicina não é eficaz em pacientes da Covid-19 em estado grave, diz estudo


Anna Satie, da CNN, em São Paulo
04 de setembro de 2020 às 20:23 | Atualizado 04 de setembro de 2020 às 22:42

Pesquisadores mostraram que adicionar o antibiótico azitromicina ao tratamento com hidroxicloroquina não traz benefícios no tratamento de pacientes da Covid-19 internados em estado grave.

O estudo, conduzido pelo grupo brasileiro Coalizão Covid-19 Brasil, foi publicado nesta sexta-feira (4) na revista científica The Lancet. 

Essa é a primeira pesquisa randomizada no no mundo para testar os efeitos do fármaco, que também não trouxe diferença significativa no tempo de internação dos pacientes.

Leia também:

Pesquisador do estudo sobre corticoide contra Covid-19 comenta descobertas

Tratamento promissor da Covid-19 é teste para a distribuição de vacinas nos EUA

O trabalho analisou 447 pacientes entre março e maio de 2020. O remédio foi ministrado em conjunto com a hidroxicloroquina em todos os indivíduos. 

"Nossas descobertas não apoiam o uso rotineiro da azitromicina em combinação com a hidroxicloroquina em pacientes com Covid-19 severa", escreveram. 

O diretor do Instituto de pesquisa do HCor e um dos autores da pesquisa, Alexandre Biasi, falou à CNN para explicar os resultados. 

"Não encontramos aumento de efeitos adversos, mas simplesmente não há efeito benéfico", disse. "[A azitromicina] é um medicamento que age contra bactérias. Muitas das pneumonias, doenças infecciosas do pulmão são causadas por bactérias e é um excelente medicamento, extremamente útil. Mas com infecção viral, não há efeito benéfico algum". 

 Alexandre Biasi, diretor do Insituto de pesquisa do HCor em entrevista para a C

Alexandre Biasi, diretor do Insituto de pesquisa do HCor em entrevista para a CNN (04.set.2020)

Foto: CNN Brasil

Biasi disse que não há dados suficientes para avaliar o efeito em pacientes que não foram hospitalizados, mas que não espera que tenha qualquer vantagem. 

"Temos evidência e a evidência é que não funciona, tanto a hidroxicloroquina e azitromicina", afirmou. "É melhor avançar com respostas firmes e aos poucos, que a gente possa confiar, do que sair arriscando sem ter embasamento apropriado".