Cientista-chefe da OMS diz que modo de vida pré-Covid pode não retornar até 2022


Jacqueline Howard, da CNN
15 de setembro de 2020 às 22:15
A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan

A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, disse que organização só aprovará vacina com segurança e eficácia comprovadas

Foto: Fabrice Coffrini - 3.jul.2020/ Reuters

O mundo pode só conseguir voltar ao modo de vida normal, anterior à Covid-19, em 2022, disse Soumya Swaminathan, diretora de ciências da Organização Mundial de Saúde (OMS), durante coletiva em Genebra nesta terça-feira (15).

“Estamos prevendo [que demorará], pelo menos, até 2022 para que um número suficiente de pessoas comecem a receber a vacina e construir imunidade.

Portanto, por muito tempo, teremos que manter o mesmo tipo de medidas que estão sendo implementadas atualmente, como o distanciamento físico, o uso de máscara e cuidados com a higiene ", disse Swaminathan, falando aos repórteres durante uma reunião virtual organizada pelas Nações Unidas.

Segundo Swaminathan, as medidas de prevenção à Covid-19 deverão continuar sendo adotas após a disponibilização da vacina, uma vez que é necessário ter de 60% a 70% da população vacinada. Somente após esse nível de vacinação é que ocorreria uma redução drástica na transmissão do vírus, disse a diretora. 

Assista e leia também:

Quando teremos uma vacina eficaz contra a Covid-19?

Entenda como pessoas que não tiveram Covid-19 podem ter imunidade ao vírus

Muitas pessoas perderam o olfato com o novo coronavírus. Será que ele volta? 

"Também não sabemos por quanto tempo essas vacinas vão proteger. Esse é o outro grande ponto de interrogação: quanto tempo dura a imunidade? E é possível que você precise de um reforço", afirmou. 

Embora a linha do tempo permaneça incerta e difícil de prever, Swaminathan afirmou que "é seguro dizer que pode ser em 2022 quando começaremos a pensar em voltar à vida normal pré-Covid".

A diretora acrescentou não acreditar que o coronavírus se tornará um vírus sazonal com o passar do tempo, mas disse que podemos esperar ver "altos e baixos" nos casos e na transmissão.

(Texto traduzido. Clique aqui e leia o original)