Doria garante que haverá vacina para todos no estado de São Paulo até fevereiro

Ele também informou que já trabalha com a hipótese de um plano alternativo de vacinação, caso a vacina chinesa não seja contemplada pelo Programa Nacional

Tainá Falcão, da CNN em São Paulo
21 de setembro de 2020 às 15:44 | Atualizado 21 de setembro de 2020 às 17:34

O governador João Doria confirmou que haverá vacina suficiente para imunizar toda a população de São Paulo até fevereiro de 2021. 46 milhões de doses devem chegar ao Brasil até dezembro. 15 milhões no início de 2021.

“Teremos a vacina para atender a totalidade da população de São Paulo já ao final deste ano e ao longo dos dois primeiros meses de 2021. Temos que finalizar a terceira etapa de testagem, esperando que tudo continue correndo bem e temos a aprovação final da Anvisa”, assegurou o governador. 

Leia também:

Pesquisa brasileira investiga relação entre Covid-19 e falta de vitamina D

SP deve ter 40 milhões de doses até o fim do ano além das 6 milhões anunciadas

O governador de São Paulo, João Doria, exibe a Coronavac, que começou a fase 3 de testes no Brasil
Foto: Reuters

Ele também informou que já trabalha com a hipótese de um plano alternativo de vacinação, caso a vacina chinesa não seja contemplada pelo Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde.

O governo de São Paulo aguarda apoio financeiro do governo federal para ampliar a capacidade de produção da CoronaVac e melhorar a estrutura de uma fábrica do Butantan. 

“Temos, sim, um plano alternativo, mas preferimos acreditar em um plano nacional, que envolva o Ministério da Saúde. Tenho certeza de que o Ministério da Saúde não trilhará um caminho ideológico, partidário e eleitoral. Seria um gesto condenável”, frisou. 

Ontem (20), o secretário de saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, anunciou em entrevista à CNN, que 6 milhões de dose da vacina estarão no Brasil em outubro, quando acaba a terceira e última fase dos testes de eficácia da vacina. Nesta segunda-feira (21), ele também reforçou a importância do apoio federal. 

“Nós precisamos do programa nacional de imunização para através do Sistema Único de Saúde promover a distribuição absolutamente gratuita da vacina. Não tenho dúvida de que será seguido esse rito”, disse.