Correspondente Médico: Qual a diferença entre as vacinas contra a Covid-19?

Neurocirurgião Fernando Gomes destaca que vacina da Johnson & Johnson pode ser melhor distribuída por exigir uma única dose

Da CNN
30 de setembro de 2020 às 10:31

A corrida pela imunização contra a Covid-19 continua em todo o mundo. Há vacinas em diferentes níveis de evolução (veja lista), mas que pretendem imunizar boa parte das pessoas. Na edição desta quarta-feira (30) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes analisou a diferença entre as vacinas em desenvolvimento contra o novo coronavírus.

"Cada vacina representa um método diferente para a sua aplicação. Do ponto de vista logístico, a aplicação de uma única dose tem um impacto muito grande. No caso da vacina Johnson & Johnson (única em teste com apenas uma dose), você convoca a pessoa uma única vez e com isso, tendo resultado, você entra em uma estatística favorável, mais fácil de conduzir. Quando há duas doses, isso pode comprometer a vacinação em larga escala devido a necessidade de dupla convocação", iniciou. 

Leia também:
Vacina da Covid-19: conheça a situação das maiores pesquisas
Quando teremos uma vacina eficaz contra a Covid-19?
Novo coronavírus: seis coisas que sabemos após seis meses de pandemia
Confira o status de desenvolvimento das principais vacinas contra a Covid-19

Correspondente Médico: Qual a diferença entre as vacinas contra a Covid-19?
Foto: Reprodução/CNN (30.set.2020)

Para ele, "o Brasil sai em vantagem quanto à logística por conta do Sistema Único de Saúde (SUS). Estamos em um momento favorável porque, pelo menos do ponto de vista teórico, nós temos o arcabouço necessário para que esta entrega aconteça. Tudo vai depender dos resultados das pesquisas."

Situação das vacinas
Foto: CNN

Questionado sobre a ação da vacina no organismo, o médico afirma que, a pessoa vacinada, assim que entra em contato com o vírus, os anticorpos entram em ação. Eles são responsáveis por 'grudar' no micro-organismo invasor, mantendo a proteção do indivíduo.

"Cada vacina terá seu método de estudo específico para análise. Portanto, o efeito de atuação pode ser completamente diferente, mas ele pode ser mais eficiente em sensibilizar a resposta do sistema imunológico. Portanto, você pode trabalhar com o vírus vivo e atenuado ou fragmentos dele para que auxilie no processo de proteção contra uma outra infecção", avaliou.

"Este é um estudo prospectivo, randomizado, em que as pessoas não sabem se estão recebendo a vacina de verdade, Vale lembrar que tudo é muito novo e estamos acompanhando todo este processo de controle do novo coronavírus", finaliza.

(Edição: André Rigue)