SP envia documentação da Coronavac à Anvisa para agilizar registro da vacina


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
02 de outubro de 2020 às 12:56 | Atualizado 02 de outubro de 2020 às 15:24

 

O governo de São Paulo enviou nesta sexta-feira (2) à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) documentos da vacina Coronavac para agilizar o registro do imunizante contra o novo coronavírus.

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria (PSDB) afirmou que os primeiros dados sobre a vacina foram enviados pelo Instituto Butantan por meio da plataforma digital “criada para agilizar procedimento de registro de vacinas”.

"O objetivo é tornar o mais rápido possível, dentro das normas científicas e dos protocolos da Anvisa, o processo de registro da Coronavac, uma das vacinas mais promissoras e na sua última etapa de testagem em todo mundo", disse Doria.

Assista e leia também:

São Paulo garante 46 milhões de doses da Coronavac
Correspondente Médico: Imunidade de rebanho será atingida antes da vacina?
Anvisa começa análise de dados para agilizar registro da vacina de Oxford

Dimas Covas, diretor do Butantan, explicou que o governo se valeu de uma nova norma técnica publicada há dois dias pela agência que facilita o envio de documentos de vacinas contra o novo coronavírus e permite o envio contínuo de dados.

"Existe um protocolo para que esses documentos estejam disponíveis para análise preliminar dos técnicos da Anvisa. Já submetemos os documentos disponíveis até esse momento para a Anvisa", explicou. "Isso tem objetivo de facilitar análise dos técnicos da Anvisa e permitir que não haja atraso neste processo."

João Doria, segura caixa da potencial vacina contra a Covid-19 da Sinovac

Governador de São Paulo, João Doria, segura caixa da potencial vacina contra a Covid-19 da Sinovac

Foto: Amanda Perobelli - 21.jul.2020/Reuters

Depois do anúncio do governo de São Paulo, a Anvisa informou, em nota, sobre o recebimento do “primeiro pacote de dados referente à vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantã”.

“A revisão desses dados é possível devido à implantação do procedimento de submissão contínua, que permite verificar os documentos à medida que se tornam disponíveis. Isso não significa, porém, um pedido oficial de registro da vacina”, destacou a agência.

A agência reforçou também o "compromisso em disponibilizar, de forma segura, o acesso a vacinas da forma mais ágil possível no contexto de emergências em saúde pública".