Correspondente Médico: Como a Covid-19 atua em um corpo já debilitado?

Fernando Gomes explica a relação entre o vírus e as comorbidades

Da CNN
09 de outubro de 2020 às 09:33

A relação entre as comorbidades e a Covid-19 ainda seguem sendo um desafio para os cientistas. Na edição desta sexta-feira (9) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou como o novo coronavírus age em um corpo já debilitado. O médico reforçou ainda a importância da imunidade para a manutenção de um sistema imunológico eficiente e preparado para o combate às doenças. 

"Na medicina chamamos esta condição [já existente no corpo] como comorbidade, principalmente quando temos o câncer e terapia do câncer, por exemplo, faz com que o corpo tenha um desafio a mais para lidar com uma situação adversa. Nestes casos, quando o sistema imunológico é acometido por uma infecção viral, pode acontecer uma manifestação clinica mais grave e evoluir para a morte, explicou. 

Leia também:
Roberto Kalil explica riscos de comorbidades, doenças que agravam a Covid-19
Saúde quer 140 milhões de doses de vacinas para Covid-19 no 1º semestre de 2021
Questões sobre a Covid-19 serão centrais nas disputas municipais, diz analista

Correspondente Médico: Como a Covid-19 atua em um corpo já debilitado?
Foto: Reprodução/CNN

Para se ter um bom combate para se livrar da Covid-19 é importante ter boa alimentação, atividade física e sono reparador. "Quando falamos em estilo de vida mais saudável, nós brincamos e dizemos que não é apenas comer alface ou fazer exercício físico. É muito mais do que isso", relembrou Fernando Gomes. 

O médico também avaliou o caso da influencer Ana Paula Rubini, de 30 anos, que morreu esta semana por conta do novo coronavírus. Ela já lutava contra um câncer nas células do sistema linfático e diariamente compartilhava detalhes do tratamento nas redes sociais. A morte da jovem gerou comoção e alertou para a atenção às doenças já existentes. 

"Existem células que fazem parte do sistema imunológico, como é o caso dos linfócitos, que são responsáveis por uma faxina e um combate contra agentes que tentam atacar o corpo físico. Por isso, esta célula é fundamental para combater uma infecção. É fundamental estar em alerta para esta questão", finaliza.

(Edição: André Rigue)