Alguma indisponibilidade de agenda, diz secretário de SP sobre reunião com Saúde

Fontes ouvidas pela CNN disseram que ministro da Saúde Eduardo Pazuello deve cancelar encontro marcado com João Doria

Da CNN, em São Paulo
19 de outubro de 2020 às 17:48 | Atualizado 19 de outubro de 2020 às 17:49

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (19), o secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, falou sobre a possibilidade de o ministro da Saúde Eduardo Pazuello cancelar a reunião com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), marcada para a próxima quarta-feira (21) na sede do Ministério, em Brasília. Gorinchteyn diz imaginar que possa ser “alguma indisponibilidade de agenda e nada além disso”.

“Todas as tratativas que vêm sendo tomadas pelo Ministério da Saúde e com o Instituto Butantan estão sendo tratativas elegantes, bem conduzidas tanto pelo ministro e assessores, assim como por toda equipe técnica da secretaria de estado da Saúde de São Paulo e do Instituto Butantan”, afirma. 

“Se eventualmente não houver algum horário na agenda do ministro, isso não quer dizer absolutamente nada. Não tem outra simbologia em relação aos trâmites de tratativas que vêm sendo tomadas tanto pelo Ministério quanto pelo instituto”, acrescenta.

Assista e leia também:

Bolsonaro: 'Vacina não será obrigatória e ponto final'

Vacina Coronavac apresenta baixa taxa de reação adversa, diz governo de SP

Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde do Estado de São Paulo (19.out.2020)
Foto: CNN Brasil

Fontes ouvidas pela CNN disseram que Pazuello deve cancelar o encontro marcado com João Doria. Eles tratariam da compra de 100 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac pelo governo federal.

Gorinchteyn diz ainda que tanto o Ministério da Saúde quanto o Brasil entendem que “precisamos de vacinas para que possamos imunizar a população e, aí sim, garantir a sua proteção para voltarmos ao normal”. 

“O que temos entendido nesse momento é que vai ser muito importante que as vacinas estejam inseridas no Programa Nacional de Imunização, distribuídas pelo Sistema Único de Saúde [SUS] para todos os brasileiros, seja da Coronavac, da Fiocruz”.