AstraZeneca pode retomar testes de vacina contra Covid-19 nesta semana nos EUA

Testes foram suspensos em setembro, e o retorno ainda não foi aprovado pela agência de fiscalização de alimentos e medicamentos do país

Julie Steenhuysen e Marisa Taylor, da Reuters
20 de outubro de 2020 às 18:57
Seringa com vacina

A vacina pode ser uma grande aliada na luta contra a Covid-19

Foto: Freepik

O ensaio clínico da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 nos Estados Unidos deve ser retomado nesta semana, após a agência de vigilância sanitária do país ter concluído a análise sobre uma doença grave em um voluntário no Reino Unido, disseram quatro fontes à Reuters.

O teste da AstraZeneca nos EUA, grande e em estágio avançado, está suspenso desde 6 de setembro, depois que um participante do estudo da empresa no Reino Unido adoeceu com o que se suspeitava ser uma doença inflamatória espinhal rara chamada mielite transversa.

As fontes, que estão a par do assunto e pediram para permanecer anônimas, disseram que foram informadas que o ensaio pode ser retomado no final desta semana.

Não estava claro como a agência de alimentos e medicamentos dos EUA, a FDA, caracterizaria a doença, segundo elas.

Uma porta-voz da FDA não quis comentar.

Leia e ouça também:
Reino Unido, Alemanha e Itália adotam diferentes estratégias de vacinação
Até abril creio ter vacina suficiente a todos nos EUA, diz secretário de Saúde
Ciência tem seu tempo e não respeita vontade de governantes, diz diretor da SBIm
Podcast: Os resultados da Coronavac e o desenvolvimento das vacinas para Covid-19

A agência está exigindo que os pesquisadores que conduzem o ensaio adicionem informações sobre o incidente aos formulários de consentimento assinados pelos participantes do estudo, de acordo com uma das fontes.

Autoridades regulatórias britânicas analisaram a doença e determinaram que há “evidências insuficientes para afirmar com certeza” se ela estava ou não relacionada à vacina.

Isso permitiu que o estudo fosse retomado no Reino Unido, de acordo com um esboço do formulário de consentimento atualizado compartilhado com a Reuters.

O estudo com a vacina também já foi retomado no Brasil após uma interrupção.