Daniela Lima: recuo sobre Coronavac pode abrir guerra política com governadores

Se presidente Jair Bolsonaro mantiver atitude de abrir mão da vacina, líderes estaduais não descartam ir ao STF para ter acesso ao imunizante

Da CNN
21 de outubro de 2020 às 11:36

No quadro Em Off desta quarta-feira (21), na CNN Rádio, Daniela Lima analisa as consequências da decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de não permitir a compra e a distribuição da vacina chinesa Coronavac pelo Ministério da Saúde.

“Aparentemente o presidente ficou bastante irritado com o acerto feito ontem pelo seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com governadores de todo o país que saíram bastante satisfeitos e elogiando a postura técnica do ministro”, disse a jornalista.

Nesta quarta, Bolsonaro publicou em sua conta no Facebook que “não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem”, em referência à Coronavac, e que, por isso, sua decisão “era a de não adquirir a referida vacina”.

“O que isso nos mostra? Que viveremos uma etapa de guerra política pela vacina. Os governadores acordaram chocados com a reação do presidente, embora já ontem tivessem dúvidas a respeito da anuência de operação anunciada pelo ministro”, completou Daniela.

Assista e leia também:
Bolsonaro rejeita comprar vacina chinesa sem comprovação científica
Após reunião, Saúde anuncia compra de 46 milhões de doses da Coronavac
Bolsonaro conversa com Pazuello para ‘ajustar’ discurso sobre vacina
Por que uma vacina não vai acabar com a pandemia de Covid-19 imediatamente?

“Eles também já dizem que a questão da obrigatoriedade da vacina deve ser discutida pelo Supremo. O que eles estão agora pensando é que, se o presidente insistir nessa postura, nessa atitude, de abrir mão da vacina que, aparentemente, vai ficar pronta primeiro, eles não descartam ir ao STF para garantir o direito de receber a Coronavac.”

Ministro desautorizado

Daniela também destacou o fato de que o Pazuello é mais um a entrar no rol de ministros desautorizados publicamente pelo presidente.

“Temos dois de destaque nesse grupo: Sérgio Moro e Luiz Henrique Mandetta e conhecemos o destino que cada um deles teve no governo. Agora é ver se Pazuello, por ser militar e ter apoio bastante expressivo da ala de militares do Palácio do Planalto, consegue reverter esse desconforto com o presidente”, explicou.

Quadro Em Off, com Daniela Lima, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil