EUA aprovam Remdesivir como primeiro tratamento oficial da Covid-19


Carolina Figueiredo*, da CNN, em São Paulo
22 de outubro de 2020 às 21:35 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 09:14

A FDA (Food and Drug Administration, órgão norte-americano equivalente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta quinta-feira (22) o remédio Remdesivir como medicamento oficial para o tratamento da Covid-19. Desde maio, o antiviral tinha uma autorização apenas para uso emergencial. 

O órgão frisou que a substância deverá ser administrado apenas em ambientes hospitalares, ou seja, para casos de Covid-19 que necessitem de internação. Além disso, o remédio é indicado para adultos e crianças, a partir de 12 anos, que pesem pelo menos 40 kg. 

“A aprovação de hoje é apoiada por dados de vários ensaios clínicos que a agência avaliou rigorosamente, e representa um importante marco científico na pandemia de Covid-19", disse Stephen M. Hahn, comissão da FDA.

"Como parte do Programa de Aceleração de Tratamento de Coronavírus da FDA, a agência continuará a ajudar a desenvolver novos produtos médicos para os pacientes o mais rápido possível", completou o executivo.

Assista e leia também:

Laboratório no Distrito Federal recebe insumos para produção da vacina russa
Governo já gastou R$ 1,2 bilhão em processo da vacina de Oxford, diz TCU
Correspondente Médico: Qual o futuro da vacina Coronavac no Brasil?

Fabricação do medicamento Remdesivir

Fabricação do medicamento Remdesivir

Foto: Gilead/Divulgação (4.abr.2020)

A aprovação do medicamento foi apoiada por uma análise da agência sobre três ensaios clínicos randomizados e controlados que incluíram pacientes hospitalizados com casos de leve a grave da Covid-19.

No início deste mês, um estudo global patrocinado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) descobriu que o remdesivir não ajudou os pacientes a sobreviver ou mesmo a se recuperar mais rápido, mas outro estudo nos Estados Unidos, incluindo os da FDA, concluiu que o medicamento encurtou o tempo de recuperação de alguns pacientes em cerca de um terço.

A farmacêutica americana Gilead é a responsável por produzir o remédio nos EUA.

*Sob supervisão de Evelyne Lorenzetti