Decisão técnica foi acertada, mas ruído político é negativo, diz ex-Anvisa

Nesta quarta-feira (11), a Anvisa autorizou a retomada do estudo da Coronavac

Da CNN, em São Paulo
11 de novembro de 2020 às 15:02


 

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (11), Dirceu Barbano, ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concordou com o protocolo adotado pela agência para paralisar os testes clínicos da Coronavac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, de São Ppaulo. 

“A decisão técnica da Anvisa foi acertada, mas esse ruído que se gerou nessa disputa que se estabeleceu no campo político é muito negativo do ponto de vista da sociedade”, afirmou.

Barbano disse ainda que, ao mesmo tempo que a agência reguladora precisa ter independência técnica, deve ter também uma coordenação pública que seja coerente com a emergência sanitária -- no caso, a pandemia do novo coronavírus.

Assista e leia também:

Anvisa autoriza retomada do estudo da Coronavac

Farmácias já venderam mais de 1 milhão de testes rápidos da Covid-19 no país

“Em situações de pandemia e emergência de saúde pública espera-se uma coordenação desse ambiente decisório em que esse tipo de coisa que aconteceu esta semana não aconteça”, argumentou.

Mais cedo, a Anvisa autorizou a retomada dos testes clínicos da Coronavac, que haviam sido interrompidos após ser informada de que ocorreu um “evento adverso grave” com um dos voluntários. A volta dos estudos foi decidida por 18 servidores do quadro técnico.

Os dados são sigiliosos, mas, conforme apuração da CNN, o voluntário cometeu suicídio. O fato, portanto, não estaria ligado à segurança da vacina.

(Edição: Leonardo Lellis)