Voluntário da Coronavac morreu por intoxicação de opioides e álcool, diz laudo

A morte do voluntário foi o evento adverso grave que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

Sinara Peixoto, da CNN, em São Paulo
12 de novembro de 2020 às 17:34 | Atualizado 12 de novembro de 2020 às 17:54

 

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo emitiu nota na tarde desta quinta-feira (12), confirmando os resultados dos laudos sobre a morte do voluntário que participava dos testes da Coronavac em São Paulo.

Segundo a SSP, "os resultados apontam que a morte se deu em consequência de uma intoxicação exógena por agentes químicos. Foram constatadas as presenças de opioides, sedativos e álcool no sangue na vítima".

Leia também

Pfizer afirma que vacina contra Covid-19 tem 90% de eficácia

Coronavac é a vacina mais segura contra Covid-19, diz diretor do Butantan

Vacina gera resposta imunológica tanto em jovens quanto idosos, diz AstraZeneca

Por que uma vacina não vai acabar com a pandemia de Covid-19 imediatamente?

A Secretaria também informou que os laudos "dos institutos de Criminalística (IC) e Médico Legal (IML) do referido caso foram concluídos e encaminhados à autoridade policial do 93º DP (Jaguaré)".

Interrupção e retomada dos testes

A morte do voluntário foi o evento adverso grave que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender a fase 3 dos estudos da Coronavac na segunda-feira (9), que está sendo conduzida pelo governo de São Paulo em parceria com o Instituto Butantan. Segundo apuração da CNN, este voluntário cometeu suicídio.

Após a liberação da Anvisa na quarta-feira (11), o Butantan informou retomou os testes clínicos com a Coronavac no mesmo dia.