Correspondente Médico: Como o cérebro reage diante de uma cena de violência?

Neurocirurgião Fernando Gomes comenta o caso de João Alberto Silveira Freitas, espancado até a morte por seguranças em supermercado de Porto Alegre

Da CNN, em São Paulo
23 de novembro de 2020 às 09:44

 

O neurocirurgião Fernando Gomes explica no quadro Correspondente Médico desta segunda-feira (23) como reage o cérebro de quem presencia cenas de violência, como o caso do espancamento até a morte de João Alberto Silveira Freitas por dois seguranças no supermercado Carrefour, em Porto Alegre.

"Pessoas que estão vivenciando aquela cena ao vivo muitas vezes sofrem paralisação, ou porque sentem medo, raiva, ou porque a situação é bizarra e acabam não indo apartar a briga. Tem gente que passa mal, principalmente pela descarga de adrenalina. Quando assiste na TV ou lê no jornal, há um tempo, uma percepção diferente, de quem não vivenciou a cena", analisa.

Leia também
Seguranças de supermercado espancam homem negro até a morte em Porto Alegre
'A gente gritava: estão matando o cara', diz testemunha de caso em mercado do RS
"Jamais se justificaria tamanha violência", diz delegada sobre caso João Alberto

O racismo estrutural também precisa ser levado em conta, segundo o médico. "Se a gente não fala sobre isso, não discute sobre, não coloca luz sobre esse tipo de problema, não consegue bloquear a execução de coisas como essa. A única forma de elevar o padrão mental da população é através da metacognição, discutir o processo mental que acontece na hora".

(Publicado por: André Rigue)