Como o DNA neandertal afeta a saúde humana e o risco de infecção pela Covid-19

Descoberta pode indicar o motivo pelo qual alguns pacientes têm casos mais graves da doença

Katie Hunt, da CNN
09 de dezembro de 2020 às 10:52
Parte do DNA humano atual ainda carrega traços das interações sexuais pré-histór
Parte do DNA humano atual ainda carrega traços das interações sexuais pré-históricas do Homo sapiens com os neandertais.
Foto: Frank Franklin II/AP

O DNA dos neandertais pode desempenhar um pequeno papel ao guinar a evolução de pacientes infectados pela Covid-19, mostraram pesquisas recentes.

Cientistas examinaram um filamento de DNA associado a alguns dos casos mais sérios de Covid-19 e compararam esse filamento com as sequências genéticas conhecidas por terem sido transmitidas de ancestrais neandertais a parte da população da Europa e da Ásia.

A fita de DNA neandertal é encontrada no cromossomo 3. Uma equipe de pesquisadores da Europa relacionou certas variações desta sequência com o risco de a infecção por Covid-19 se tornar mais grave.

Leia e assista também:

EUA: Cientista que acusou manipulação em dados da Covid-19 é alvo de operação

Cientista foi morto com metralhadora controlada por satélite, diz Irã

"É empolgante, para nós, descobrir que os neandertais ainda tenham aspectos importantes para nós 50 mil anos depois sua extinção", disse o diretor do Instituto Max Planck de Antropologia, Svante Pääbo, de Leizpig, na Alemanha. O Instituto estuda o DNA dos neandertais há três décadas.

O estudo também revelou diferenças consideráveis na incidência dessa variante genética de risco em diferentes partes do mundo. É uma característica particularmente comum entre pessoas no sul da Ásia, onde cerca de metade da população carrega a variante neandertal. Na Europa, uma em cada seis pessoas tem a característica. No entanto, ela é quase inexistente na África e no Leste Asiático.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês.)