Testes clínicos de vacina chinesa são interrompidos no Peru após evento adverso

Imunizante da Sinopharm não é testado no Brasil

da CNN*
12 de dezembro de 2020 às 15:31 | Atualizado 13 de dezembro de 2020 às 17:11
Vacina Pfizer refrigerada
Vacinas feitas com a técnica do RNA mensageiro precisam ser armazenadas a temperaturas muito baixas
Foto: REUTERS/Dado Ruvic

O ministério da Saúde do Peru comunicou neste sábado (12) que apoia a decisão do Instituto Nacional de Saúde de suspender temporariamente os ensaios clínicos da vacina contra Covid-19 da Sinopharm —que não é testada no Brasil. 

Em nota, o ministério explicou que a medida está contemplada no regulamento dos ensaios clínicos com o fim de "proteger a saúde dos voluntários durante a os testes da vacina contra Covid-19 pela identificação de um evento adverso".

Leia também:

Vacinas: qual a diferença entre 'evento adverso grave' e 'efeito adverso grave'?

Esse denominado evento adverso está em investigação para determinar se está relacionado à vacina ou se há outra explicação, continua o comunicado.

A Sinopharm conduz testes com 12 mil voluntários no país e estava prestes a completar a primeira fase dos testes nos próximos dias. 

German Malaga, pesquisador da universidade local Cayetano Heredia, que está envolvida no estudo, disse que um voluntário teve fraqueza nas pernas, entre outros sintomas.

Esse imunizante não está sendo testado no Brasil. Os outros países em que ocorrem os testes são Emirados Árabes Unidos, Barein, Egito, Jordânia e Argentina. 

(*Com informações de Juan Carlos Paz, da CNN Internacional, e da Reuters)