Vacinação nos EUA traz esperança e lições para o Brasil, avalia infectologista

Infectologista Roberto Medronho falou à CNN sobre o início da imunização contra a Covid-19 nos Estados Unidos

Da CNN, em São Paulo
14 de dezembro de 2020 às 14:41 | Atualizado 14 de dezembro de 2020 às 14:58


Nesta segunda-feira (14), os Estados Unidos iniciaram a vacinação contra a Covid-19 com o imunizante desenvolvido pela Pfizer/BioNtech. Para o infectologista Roberto Medronho, que é coordenador do grupo de trabalho de combate ao novo coronavírus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mesmo que o Brasil ainda não tenha assinado um acordo com a Pfizer, o início da imunização nos Estados Unidos é um passo a mais para os brasileiros também serem vacinados.

"É uma imagem que nos deixa muito esperançosos de que tenhamos logo uma vacina para aplicar na nossa população. E, sendo segura e eficaz, nos dará uma nova forma de nos relacionarmos com todas essas obrigações que estão sendo impostas por conta da necessidade de diminuir a transmissão do vírus", disse o especialista em entrevista à CNN.

Leia também:

Primeira pessoa é vacinada contra a Covid-19 nos Estados Unidos
Doria diz que Butantan terminará fase 3 de estudo da Coronavac nesta semana
Fiocruz: Brasil terá 15 mi de doses da vacina de Oxford a partir de fevereiro

O médico ainda destacou o reconhecimento internacional que institutos brasileiros, como o Butantan e o de BioManguinhos, da Fiocruz, têm em relação a planos de imunização.

"Precisamos e fazemos esse apelo para que as autoridades, em todos os níveis, municipal, estadual e federal, se entendam. Se nós aproveitarmos o que temos de bom em nosso Sistema Único de Saúde (SUS), em pouco tempo teremos a população livre dessa pandemia", completou.

Infectologista Roberto Medronho falou sobre o início da vacinação contra Covid-19 nos Estados Unidos
Foto: CNN Brasil (14.dez.2020)

(Publicado por Daniel Fernandes)