Governador do RJ descarta recuo em flexibilizações e diz que decisão é municipal

Iuri Corsini*, da CNN, no Rio de Janeiro
15 de dezembro de 2020 às 17:04
Cláudio Castro, governador em exercício do Rio de Janeiro, descartou recuo na flexibilização
Foto: CNN (10.dez.2020)

Mesmo diante de um aumento de novos casos do novo coronavírus no Rio de Janeiro, o governador em exercício, Claudio Castro (PSC), descartou o recuo das medidas de flexibilização e afirmou que não haverá restrições de circulação de pessoas no estado. Conforme Castro, “as pessoas têm o direito de ir e vir” e não cabe ao poder público proibi-las. 

“O direito de ir e vir é livre, o poder público não pode proibir a circulação das pessoas. Se a pessoa quiser ir caminhando para a praia, a gente não pode proibir, não. Eu sou contra esse tipo de interferência”, afirmou o governador nesta terça-feira (15), em coletiva para falar sobre o plano estadual contra as chuvas.

Leia também:

Entidades criticam flexibilização no RJ e pedem novas medidas de isolamento

Com alta de Covid-19, pesquisadores pedem a governantes fechamento das praias

32% dos infectados por Covid-19 na capital do Rio têm entre 20 e 39 anos

Castro também ressaltou que o estado do Rio continuará no seu plano de abertura de leitos, conscientização da população, testagem, diagnóstico precoce e cofinanciamento de leitos junto aos municípios, reforçando que as questões referentes à restrição e flexibilização são, conforme o próprio Supremo Tribunal Federal (STF), de competência das prefeituras.

Questionado sobre a aquisição das vacinas, Castro disse que vai seguir o Plano Nacional de Imunização e que, para ele, “pouco importa” a origem da vacina, desde que aprovada pela Anvisa. 

Ele também voltou a dizer que, se a vacina chegar agora, o estado do Rio estará 100% preparado para colocar o plano em ação. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Inflação faz juro ficar negativo e ter pior rendimento do milênio – e vai piorar

10 ideias de presente para melhorar a vida de quem está em home office

32% dos brasileiros conseguiram economizar em 2020, diz pesquisa da CNI

“Qual é a vacina que vem? Se aprovada pela Anvisa, eu não tô (sic) nem aí. Se o Ministério da Saúde falar que funciona, estamos 100% preparados para aplicá-las”, afirmou Castro. 

Ainda assim, o estado do Rio segue sem plano logístico para garantir a entrega das vacinas em favelas e áreas de difícil acesso. 

Também nesta terça-feira, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) informou, através de nota, que o “Plano Estadual de Imunização está em fase de planejamento final e seus detalhes ainda não foram divulgados”.

(*sob supervisão de Maria Mazzei)