Acordo sobre Coronavac ainda não está claro no plano de imunização, diz médica 

Epidemiologista Ethel Maciel celebrou pontos positivos do plano apresentado pelo governo federal, mas também apontou o que falta ser detalhado

Da CNN, em São Paulo
16 de dezembro de 2020 às 16:21


A epidemiologista Ethel Maciel, que está entre os pesquisadores consultados para a elaboração da primeira versão do Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, celebrou, em entrevista à CNN, que reivindicações dos especialistas foram atendidas, mas também apontou o que ainda precisa ser esclarecido pelo Ministério da Saúde antes de a imunização dos brasileiros ser iniciada.

Leia também:

Bolsonaro minimiza desentendimentos e prega união ao lançar plano de imunização
Pazuello descarta termo de responsabilidade para vacina registrada na Anvisa
Após críticas, Saúde amplia grupo prioritário e tira nomes de técnicos do plano

"Sentimos falta da elaboração melhor de um acordo com o Instituto Butantan sobre a disponibilidade das doses da Coronavac. Isso ainda continua genérico no novo plano e nos preocupa, porque, nesse momento, a vacina do Butantan parece que vai estar disponível mais rápido [do que as outras]", explicou Ethel.

Sobre os pontos positivos, a médica destacou a inclusão de grupos prioritários, como as populações quilombolas e com deficiências físicas.

"Ainda que, nesse momento, não há uma descrição mais exata sobre em qual fase elas entrarão, pelo menos foram incluídas e isso é bastante positivo", afirmou.

Coronavac é a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan, em São Paulo, em parceria com a Sinovac
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (30.jul.2020)

(Publicado por Daniel Fernandes)