Daniela Lima: Coronavac pode ser principal ativo do Plano Nacional de Imunização

Apenas com o imunizante do Instituto Butantan o governo federal conseguirá cumprir o prazo estimado e iniciar a vacinação contra o novo coronavírus em fevereiro

Da CNN
17 de dezembro de 2020 às 12:40

No quadro Em Off desta quinta-feira (17), na CNN Rádio, Daniela Lima analisou a mudança de tom na forma como o governo federal passou a tratar a Coronavac depois da apresentação oficial do Plano Nacional de Imunização, na véspera.

“O presidente mudou de tom, o governo como um todo mudou de tom e, não só incluiu a Coronavac no plano de vacinação, mas passou a tratar a vacina como o principal ativo para iniciar a imunização no Brasil”, disse a jornalista.

Ela avaliou ainda que a possibilidade citada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de iniciar a imunização em fevereiro só seria possível com o uso da Coronavac.

Assista e leia também:
Bolsonaro minimiza desentendimentos e prega união ao lançar plano de imunização
Conexão CNN: Plano de vacinação trouxe avanços, mas ainda há problemas

“Isso só seria possível com a Coronavac porque a gente sabe que a vacina da Pfizer não vai chegar ao Brasil ainda este ano e, se vier no primeiro trimestre do ano que vem, será uma quantidade muito pequena”, completou.

Ela também falou sobre a possibilidade de o governo federal negociar com o Instituto Butantan a exclusividade em relação ao uso da vacina, “o que significa que, uma vez adquirida pelo governo federal, ela não poderia ser negociada em paralelo com governos estaduais”.