Governo estuda MP para estender estado de calamidade apenas à compra de vacina

De acordo com relatos feitos à CNN, durante a conversa, Pazuello demonstrou preocupação a Guedes sobre as implicações do fim do estado de calamidade pública

Thais Arbex
Por Thais Arbex, CNN  
29 de dezembro de 2020 às 16:35 | Atualizado 29 de dezembro de 2020 às 16:56

 

O governo Jair Bolsonaro (sem partido) passou a estudar a edição de uma medida provisória que estenda as facilidades que o estado de calamidade pública dá a gastos durante a pandemia apenas para a compra de vacinas contra a Covid-19. A alternativa foi tratada numa conversa na manhã desta terça-feira (29) entre os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e da Economia, Paulo Guedes. 

De acordo com relatos feitos à CNN, durante a conversa, Pazuello demonstrou preocupação a Guedes sobre as implicações do fim do estado de calamidade pública na compra dos imunizantes no país. A medida, aprovada pelo Congresso em março, termina nesta quinta-feira (31). 

Leia e assista também

Em reunião com Pfizer, Anvisa pretende revisar exigências para uso emergencial

Anvisa e Pfizer tentam acordo em reunião amanhã sobre registro da vacina

Apesar do apelo de governadores ao Palácio do Planalto para que a calamidade seja alongada por mais seis meses, a Economia rejeita a proposta. Segundo a CNN apurou, a avaliação de Guedes é a de que, ao estender a medida, o governo pode abrir brecha para prorrogação de uma série de gastos, inclusive com auxílio emergencial. 

A auxiliares, Guedes tem dito que, apesar da nova alta do número de casos de Covid-19 em todo o país, os dados não consolidam um cenário de segunda onda da doença no país --o que, na avaliação do chefe da Economia, trava qualquer possibilidade de extensão do estado de calamidade pública.