'Não recomendamos misturar vacinas contra a Covid-19', diz Reino Unido

Orientação do governo foi atualizada esta semana para dizer que o intercâmbio das vacinas Covid-19 era uma opção “razoável”

Arnaud Siad e Sharon Braithwaite da CNN
02 de janeiro de 2021 às 15:51
Vacinação no Reino Unido contra o novo coronavírus
Vacinação no Reino Unido contra o novo coronavírus
Foto: Reuters

A mistura de diferentes vacinas contra a Covid-19 não é recomendada, segundo a chefe de imunizações do departamento de Saúde Pública da Inglaterra, doutora Mary Ramsay, no sábado.

A declaração foi dada depois que a orientação do governo foi atualizada esta semana para dizer que o intercâmbio das vacinas Covid-19 era uma opção “razoável”.

“Não recomendamos misturar as vacinas de Covid-19. Se a sua primeira dose foi da vacina da Pfizer, você não deve receber a vacina AstraZeneca como segunda dose e vice-versa”, disse Ramsay.

“Pode haver ocasiões extremamente raras em que a mesma vacina não está disponível, ou quando não se sabe qual vacina o paciente recebeu. Todo esforço deve ser feito para dar a mesma vacina, mas quando isso não for possível, é melhor dar uma segunda dose de outra vacina do que nenhuma”, acrescentou.

Ramsay esclareceu a posição do Reino Unido sobre a mistura de vacinas após uma atualização do manual de vacinas do governo ser publicada em 31 de dezembro.

O que a orientação atualizada diz? A orientação de quinta-feira (31) afirmava que, se a mesma vacina não estiver disponível, ou se o primeiro produto recebido for desconhecido, “é razoável oferecer uma dose do produto disponível localmente para completar o cronograma”.

“É preferível fazer assim se o indivíduo provavelmente estiver em alto risco imediato ou se for considerado improvável que compareça novamente”, acrescentou.

Assista e leia também:

Fiocruz deve pedir uso emergencial da vacina de Oxford à Anvisa até 6 de janeiro

Veja o que fazer se tiver sintomas de Covid-19 após as festas de fim de ano

Cutucar o nariz não é apenas nojento: é perigoso na época do coronavírus

Quais vacinas o Reino Unido está usando? O Reino Unido autorizou o uso emergencial da vacina da Pfizer/BioNTech em 2 de dezembro e da vacina da Universidade Oxford/AstraZeneca em 30 de dezembro.

A orientação recomenda que ambas as vacinas sejam administradas em duas doses, com um mínimo de 21 dias de intervalo para Pfizer/BioNTech e 28 dias para AstraZeneca. A proteção de longo prazo é fornecida pela segunda inoculação.

As diretrizes do Reino Unido contradizem a abordagem dos EUA para as duas vacinas autorizadas no país até agora, da Pfizer/BioNTech e da Moderna.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA observaram que as vacinas contra a Covid-19 autorizadas “não são intercambiáveis entre si ou com outros produtos de vacina de Covid-19” e que “a segurança e eficácia de uma série de produtos misturados não foram avaliadas. Ambas as doses da série devem ser concluídas com o mesmo produto”.

O CDC acrescenta que “se duas doses de diferentes produtos de vacina de mRNA contra a Covid-19 forem administradas inadvertidamente, nenhuma dose adicional de qualquer produto é recomendada neste momento”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).