Toxinas na fumaça da maconha podem ser prejudiciais à saúde, diz estudo


Sandee LaMotte, da CNN
11 de janeiro de 2021 às 16:03
Maconha
Fumar maconha provoca algum grau de inflamação das vias aéreas
Foto: Sudheir Kumar/Pixabay

Fumar maconha pode te expor ao mesmo tipo de produtos químicos tóxicos encontrados na fumaça do tabaco, segundo um novo estudo.

Pessoas que só fumaram maconha tinham níveis mais altos no sangue e na urina de várias toxinas relacionadas ao fumo, como naftaleno, acrilamida e acrilonitrila, do que os não fumantes, de acordo com o estudo publicado na segunda-feira (11) na revista “EClinicalMedicine”.

O naftaleno está associado a anemia, danos hepáticos e neurológicos, enquanto acrilamida e acrilonitrila têm sido associadas ao câncer e outros problemas de saúde.

“O consumo de maconha está aumentando nos Estados Unidos, com um número crescente de estados legalizando-a para fins médicos e não médicos, incluindo cinco estados adicionais na eleição de 2020”, disse a autora sênior do estudo, a doutora Dana Gabuzda, investigadora principal em imunologia do câncer e virologia no Dana-Farber Cancer Institute, em Boston.

Leia e assista também:

Saiba quais foram os três maiores asteroides que já passaram bem perto da Terra

Doença fatal na pele de golfinhos está ligada a mudanças climáticas, diz estudo

“O aumento renovou as preocupações sobre os efeitos potenciais à saúde da fumaça da maconha, que é conhecida por conter alguns dos mesmos produtos de combustão tóxicos encontrados na fumaça do tabaco”, disse Gabuzda.

Fumantes de tabaco

A nova pesquisa apresentou dados de três estudos com 245 participantes soropositivos e soronegativos. Os pesquisadores disseram que optaram por estudar as pessoas com infecção pelo HIV por causa da alta prevalência de fumo tanto de tabaco como de maconha tipicamente encontrada nesta população.

Os registros médicos foram comparados a amostras de sangue e urina de vários produtos químicos produzidos pela quebra da nicotina ou pela combustão do tabaco ou da maconha.

Os fumantes de tabaco e maconha apresentaram níveis mais elevados de naftaleno, acrilamida e acrilonitrila do que os fumantes exclusivamente de maconha. Os fumantes de tabaco também tiveram níveis aumentados de um produto químico chamado acroleína em seu sangue e urina. A acroleína é um contribuinte conhecido para doenças cardiovasculares em fumantes de tabaco.

Medo da Covid-19 estimula fumantes a largar o cigarro
Medo da Covid-19 estimula fumantes a largar o cigarro
Foto: Reprodução / CNN

Os fumantes de maconha, no entanto, não tinham níveis mais elevados de acroleína em seus corpos.

“Este é o primeiro estudo a comparar a exposição à acroleína e outros produtos químicos nocivos relacionados ao fumo ao longo do tempo em fumantes exclusivos de maconha e fumantes de tabaco, e para ver se essas exposições estão relacionadas a doenças cardiovasculares”, disse Gabuzda.

A acroleína é uma substância química com um odor doce, pungente e de queimado, criado pela queima de combustíveis como gasolina ou óleo e matéria orgânica como o tabaco. O produto químico não é adicionado aos cigarros: a acroleína é produzida pela queima de açúcares presentes no tabaco quando fumado.

A exposição de curto prazo à acroleína pode causar irritação e congestão do trato respiratório superior. Em níveis extremos, ela pode ser tóxica para humanos após exposição por inalação, oral ou dérmica, de acordo com a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA.

Fumantes de maconha

Enquanto os fumantes de maconha tinham maiores quantidades de naftaleno, acrilamida e acrilonitrila no sangue e na urina do que os não fumantes, níveis ainda mais altos foram encontrados em pessoas que fumavam tabaco ou uma combinação de maconha e tabaco.

A acrilamida é um produto químico usado para fazer papel, plásticos e tinturas, mas também é produzida quando vegetais como batatas são aquecidos a altas temperaturas. Também é um componente da fumaça do tabaco.

“As pessoas são expostas a muito mais acrilamida pela fumaça do tabaco do que pelos alimentos. Pessoas que fumam têm níveis três a cinco vezes maiores de marcadores de exposição à acrilamida no sangue do que os não fumantes”, afirmou o Instituto Nacional do Câncer.

De acordo com a Sociedade Americana do Câncer, a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer classifica a acrilamida como um “provável cancerígeno humano”, enquanto o Programa Nacional de Toxicologia dos EUA diz que ela é “razoavelmente considerado como um carcinógeno humano”, com base em estudos em animais.

Folha de Maconha
Folha de Maconha
Foto: Imagem de Erin Stone por Pixabay

A acrilonitrila é normalmente usada no fabricante de plásticos e fibras. “Fumar pode ser uma fonte significativa de poluição do ar interno por acrilonitrila”, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

Os sintomas de envenenamento por acrilonitrila incluem “fraqueza dos membros, respiração difícil e irregular, tontura e julgamento prejudicado, cianose, náusea, colapso e convulsões”, segundo disse a Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA. Um “aumento estatisticamente significativo na incidência de câncer de pulmão foi relatado em vários estudos de trabalhadores cronicamente expostos”.

A EPA classifica a acrilonitrila como um "provável cancerígeno humano".

O naftaleno, que é usado em naftalina, pode causar “dor de cabeça, náusea, vômito, diarreia, mal-estar, confusão, anemia, icterícia, convulsões e coma”, de acordo com a EPA.

As maiores concentrações de naftaleno no ar interno ocorrem nas casas dos fumantes de cigarro, segundo o Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças disse.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).