Toda vacina com mais de 50% de eficácia é útil, diz ex-presidente da Anvisa


da CNN, em São Paulo
12 de janeiro de 2021 às 19:09 | Atualizado 12 de janeiro de 2021 às 19:27


Em entrevista à CNN nesta terça-feira (12), o ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Dirceu Barbano falou sobre o que significam os 50,38% de eficácia global da Coronavac para a imunização em meio à pandemia de Covid-19.

"Em qualquer situação seria aprovada e, em uma situação de pandemia, é uma vacina desejável do ponto de vista de saúde pública", diz Barbano.

Segundo o especialista, todo o imunizante que apresenta mais de 50% de eficácia, "tem uma utilidade em qualquer situação".

"Em uma situação de pandemia, ela [a Coronavac] é importante pelo dado global porque demonstra que vai conseguir um grau de imunização maior que 50%", prosseguiu.

Além disso, de acordo com Barbano, o imunizante produzido pela Sinovac e pelo Instituto Butantan atende seu objetivo principal, que é salvar vidas em um primeiro momento, evitando internações e mortes. 

"Mas em médio e longo prazo, uma vacina com eficácia maior do que 50% tem um papel importantíssimo no ganho da imunização coletiva e impedimento da circulação do vírus."

O anúncio da eficácia global da Coronavac foi feito nesta terça-feira (12) pelo governo paulista. Na última quinta-feira (7) foi divulgado que o imunizante atingiu índice de eficácia de 100% para casos graves e moderados e de 78% para os infectados que apresentaram casos leves ou precisaram de atendimento ambulatorial.

No entanto, esse número era um recorte segmentado por casos e não é igual ao da eficácia global do imunizante, ou seja, a capacidade da vacina de proteger em todos os casos, sejam leves, graves ou moderados. 

(Publicado por Sinara Peixoto)