Covid-19: SP vacinará idosos com mais de 90 anos a partir de 8 de fevereiro

Governo prevê imunizar até 309 mil pessoas nessa faixa etária e outras 206 mil pessoas com entre 85 e 89 anos a partir do dia 15 de fevereiro

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
29 de janeiro de 2021 às 12:59 | Atualizado 29 de janeiro de 2021 às 13:58

O governo de São Paulo anunciou nesta sexta-feira (29) que idosos com 90 anos ou mais começarão a ser imunizados contra o novo coronavírus a partir de 8 de fevereiro. Uma semana depois, o programa será ampliado para atender também pessoas com entre 85 e 89 anos.

Entre as pessoas com 90 anos ou mais, a expectativa é que 206 mil pessoas sejam vacinadas. Já entre o público entre 85 e 89 anos, serão 309 mil pessoas, totalizando 515 mil idosos imunizados.

O plano do governo é que 1,6 milhão de pessoas do primeiro público-alvo (profissionais de saúde da linha de frente, indígenas, quilombolas e idosos em instituições como asilos) até o dia 8. 

"É uma prova de respeito às pessoas vulneráveis com essa faixa etária. Quero tranquilizar as demais pessoas com idade avançada. Gradualmente vacinaremos quem está entre 80 e 85 anos, 75 e 80 anos, 70 e 75 anos, assim como pessoas acima de 60 anos. Todos estão na escala de prioridade do Plano Estadual de Imunização de São Paulo", afirmou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

"Dados da secretaria de Saúde de São Paulo indicam que 1 em cada 3 idosos com mais de 85 anos que tiveram Covid-19 faleceram. Por isso, prioridade absoluta  para essa faixa etária nesta expansão do programa da vacinação", completou.

O tucano afirmou que a meta de seu governo é acelerar o máximo possível o programa de vacinação, incluindo todos os grupos, mas que para isso são necessárias mais vacinas. "Volto a cobrar, solicitar, que o Ministério da Saúde cumpra sua parte e viabilize mais vacinas para mais brasileiros", continuou.

Entrega de novas doses da Coronavac

Doria explicou que essa ampliação do programa de imunização – até o momento restrito apenas a profissionais da saúde – será possível em razão da entrega de um novo lote com 1,8 milhão de doses da Coronavac.

"O Instituto Butantan liberou mais 1,8 milhão de doses para distribuição de acordo com o Plano Nacional de Imunização. Desse total, 410 mil doses ficarão em São Paulo para dar continuidade na proporcionalidade ao que cabe ao estado para seu programa de imunização", afirmou o governador.

Ele disse ainda que o Butantan já forneceu 8,7 milhões de doses da Coronavac ao Ministério da Saúde, o que representa 80% de todas as doses disponíveis até o momento.