Anvisa recebe pedido de registro definitivo de vacina da Pfizer contra Covid-19

Agência brasileira informou neste sábado sobre recebimento da solicitação feita pela farmacêutica norte-americana

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
06 de fevereiro de 2021 às 09:43 | Atualizado 06 de fevereiro de 2021 às 10:09

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu neste sábado (6) o pedido de registro definitivo da Comirnaty, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Pfizer em parceria com a empresa alemã de biotecnologia BioNtech.

"O registro concedido pela Anvisa é o sinal verde para que a vacina seja comercializada, distribuída e utilizada pela população, nos termos da indicação estabelecida na bula", disse a Anvisa em seu site.

"Ou seja, o registro é a avaliação completa com dados mais robustos dos estudos de qualidade, eficácia e segurança, bem como do plano de mitigação dos riscos e da adoção das medidas de monitoramento", completou a Anvisa. 

Com a oficialização do pedido de registro definitivo pela farmacêutica, a Anvisa tem 60 dias para avaliar a documentação. No entanto, a expectativa é que esse prazo seja reduzido, considerando as informações que a agência já recebeu por meio do procedimento de submissão e análise contínua.

De acordo dados do painel de monitoramento da agência, até 8h deste sábado (6) já foi concluída a análise de 34,38% dos documentos enviados pela farmacêutica, estão pendendes de complementação outros 50,21%, não tem dados suficientes 5,21% e não foram apresentados 10,21%.

Em nota, a Pfizer confirmou que deu início ao processo de registro definitivo da vacina BNT162b2 contra a COVID-19, desenvolvida pela empresa e pela BioNTech, junto à Anvisa.

“O pedido de registro da vacina junto à Anvisa é a etapa final do processo de submissão contínua estabelecido pela Agência para acelerar os registros de vacinas contra a Covid-19. A companhia continuará trabalhando junto com a Anvisa para que esse processo transcorra da melhor maneira possível, sempre pautados por critérios técnicos e científicos”, afirmou, na nota, Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

Frasco com vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech em hospital da Irlanda
Frasco com vacina contra Covid-19 da Pfizer/BioNTech em hospital da Irlanda
Foto: Liam McBurney/Pool via Reuters (8.dez.2020)

A empresa esclareceu que a submissão tem como base dados de segurança e eficácia avaliados de aproximadamente 44 mil participantes do estudo, que foram acompanhados por dois meses, em média, após a segunda dose da vacina experimental. 

“O estudo clínico de fase 3 com a BNT162b2, que conta com a tecnologia de mRNA desenvolvida pela BioNTech, foi realizado em 150 centros nos EUA, Alemanha, Turquia, África do Sul, Brasil e Argentina”, destacou a empresa.

No Brasil, participaram 2,9 mil voluntários e os trabalhos foram conduzidos pelo Centro Paulista de Investigação Clínica (Cepic), em São Paulo, e pelas Obras Assistenciais Irmã Dulce, em Salvador.

A vacina da Pfizer/BioNtech mostrou 95% de eficácia e não apresentou problemas de segurança, segundo análise final da terceira e última fase de testes clínicos da vacina divulgada em novembro.