Brasil registra 1.386 mortes por Covid-19 em 24h e total chega a 254.221

Também foram confirmados mais 61.602 casos, totalizando 10.517.232

Renato Barcellos, da CNN
27 de fevereiro de 2021 às 19:36
Coveiro em traje de proteção sepulta caixão em cemitério de Manaus
Coveiro em traje de proteção sepulta caixão em cemitério de Manaus
Foto: Altemar Alcântara/Semcom (17.jun.2020)

 O Ministério da Saúde registrou mais 1.386 mortes por Covid-19 neste sábado (27), elevando o total a 254.221.

Este é o 38º dia consecutivo em que a média móvel de óbitos fica acima de mil, maior sequência de toda a pandemia. Antes, o maior período havia sido entre julho e agosto de 2020, com 36 dias seguidos no mesmo patamar. 

Em fevereiro, só houve menos de mil mortes diárias às segundas-feiras e fins de semana, dias em que as confirmações ficam represadas por conta do funcionamento de laboratórios e secretarias de Saúde.

Também foram confirmados mais 61.602 casos, totalizando 10.517.232.

Segundo o boletim diário divulgado pelo governo de São Paulo, o Estado atingiu na tarde deste sábado (27) a taxa de 71,1% de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), com 7.011 pacientes internador com Covid-19;

Ao todo, no Estado, 15.517 pessoas estão internadas em decorrência da doença, sendo 8.506 em leitos de enfermaria, o que representa 52,3% de ocupação. Na Grande São Paulo, a taxa de ocupação de UTI é de 71,6% e de enfermaria, de 58,3%.

Neste sábado, o Estado ultrapassou 2 milhões de casos da doença, com 2.037.267 infectados desde o início da pandemia. O número de mortes por Covid-19 em São Paulo é de 59.428 e o de recuperados 1.805.549. Do total de recuperados, 201.172 foram internados.

Em entrevista à CNN, o coordenador do Centro de Contingência da Covid-19 de São Paulo, Paulo Menezes, afirmou que o momento atual é o "pior de toda a pandemia de Covid-19 no estado". 

"É uma situação extremamente difícil, por isso tivemos uma reclassificação que colocou 76% da população na fase laranja e 15% na vermelha", disse.