Fórum dos governadores tenta adquirir tecnologia para produzir vacinas no Brasil

Governador do Piauí defendeu que "quem está salvando o Brasil com entrega de vacinas são os laboratórios brasileiros"

Weslley Galzo, da CNN, em São Paulo
08 de março de 2021 às 14:26 | Atualizado 08 de março de 2021 às 14:34
Wellington Dias (PT), governador do Piauí
Wellington Dias (PT), governador do Piauí
Foto: CNN (08.mar.2021)

 O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), declarou em visita à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) nesta segunda-feira (8) que o Fórum dos Governadores negocia com laboratórios do mundo inteiro a aquisição de tecnologia para a produção de vacinas contra a Covid-19 em território nacional. 

“Estamos todos aqui para quê? Para que a gente tenha como antecipar a transferência tecnológica para produção do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) aqui na Fiocruz. Estamos falando da possibilidade de o Brasil ter a produção do IFA, ter a produção de vacinas para atender rapidamente ao Brasil e atender, inclusive, outros países”, declarou Dias.

"Quem está salvando o Brasil com entrega de vacinas são os laboratórios brasileiros "

Wellingont Dias, governador do Piauí (PT)

 A visita à Fiocruz foi acompanhada pelo ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Ele reafirmou a produção nacional de imunizantes como a única possibilidade de garantir a vacinação em massa da população brasileira.

“Os países no mundo estão variando as suas posições diplomáticas e comerciais porque a questão é instável, por isso nós estamos falando em produção nacional. Se não tivermos produção nacional como temos no Butantan e na Fiocruz não teremos vacinação em massa”, disse Pazuello.

Além da organização de um plano de transferência de tecnologia para o Brasil, as autoridades se reuniram no Rio de Janeiro para requerer à Astrazeneca a antecipação de 9 milhões e 100 mil doses do imunizante produzido em parceria com a Universidade de Oxford.

O pedido feito pelo governo federal em parceria com o Fórum dos governadores é de que a remessa seja enviada entre março e abril para mitigar a crise de saúde pública instalada no país, com a circulação de variantes e o agravamento simultâneo da situação em vários estados.

Segundo o governador Wellington Dias, o corpo diplomático do Brasil será acionado para realizar uma ação de apelo à Organização Mundial da Saúde (OMS) em busca do envio de doses das vacinas ao país e da transferência de tecnologia produtiva. A OMS considera o Brasil o novo epicentro da doença no mundo. 

“Onde houver vacina disponível, nós estamos atrás para celebrar um contrato de intenção de compra”, disse o governador do Piauí. Segundo Dias, o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde deve apresentar nesta segunda-feira ao Congresso Nacional uma proposta de uniformização das medidas de enfrentamento ao coronavírus.