1 em cada 4 jovens de SP assume risco de pegar Covid-19, aponta pesquisa

Levantamento mostra que 97% dos jovens paulistas entre 15 e 24 anos estão informados sobre a pandemia, mas 25% decide sair para atividades não essenciais

Anne Barbosa, da CNN, em São Paulo
11 de março de 2021 às 17:19 | Atualizado 11 de março de 2021 às 18:27

O novo coronavírus atinge cada vez mais os jovens e, mesmo assim, um em cada quatro paulistas entre 15 e 24 anos admite sair de casa para atividades não essenciais. O dado consta em uma pesquisa do Ensino Social Profissionalizante, instituição sem fins lucrativos, à qual a CNN teve acesso.

O levantamento mostra também que essa decisão é consciente. Quase todos os jovens (97%) declararam estar informados sobre a Covid-19.

As ruas da capital paulista deixam nítido que os jovens estão circulando mais, seja para praticar esportes ou até para encontros sociais - atividades que persistem mesmo na fase mais restritiva, quando só os serviços essenciais podem funcionar.

Por esse motivo, especialistas acreditam que, neste momento, os jovens são os mais expostos à Covid-19. "O jovem naturalmente assume uma postura que o coloca mais em risco. Eles têm menos receio de se infectar, então acabam utilizando com menos rigor as medidas que nos protegem", afirmou o infectologista Marco Aurélio Sáfadi.

"O jovem tem uma menor tendência a obedecer essas regras e frequenta locais que os estudos têm mostrado associados com maior risco de infecção, como bares, baladas e restaurantes", completou.

Pessoas circulando na avenida Paulista, em São Paulo, durante a pandemia de Covid-19
Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo (30.ago.2020)

De acordo com o governo de São Paulo, no ano passado, 80% dos pacientes internados eram idosos e pessoas com alguma comorbidade. Hoje, cerca de 60% das internações são de pacientes na faixa entre 30 e 50 anos.

Enquanto a vacinação caminha a passos lentos no país, para Sáfadi, a ferramenta que temos neste momento é obedecer as regras de distanciamento social, além do uso de máscaras e álcool em gel.

"Eu diria que a regra mínima da sensatez, essa talvez seja a palavra mais importante e tão carente em algumas pessoas, que é a sensatez de como nós devemos agir neste momento."

Bar em Campinas, no interior de São Paulo
Foto: Luciano Claudino/Código19/Estadão Conteúdo