Vacina de mRNA contra a Covid-19 é eficaz em gestantes e lactantes, diz estudo

Pesquisa foi publicada nesta quinta-feira (25) no American Journal of Obstetrics and Gynecology

Lauren Mascarenhas, da CNN
25 de março de 2021 às 13:43 | Atualizado 26 de março de 2021 às 13:28

As vacinas Pfizer/BioNTech e Moderna Covid-19 são eficazes em mulheres grávidas e lactantes, que podem passar anticorpos protetores para recém-nascidos, de acordo com pesquisa publicada quinta-feira no American Journal of Obstetrics and Gynecology. 

Pesquisadores do Massachusetts General Hospital, do Brigham and Women's Hospital e do Ragon Institute of MGH, MIT e Harvard analisaram 131 mulheres que receberam a vacina Pfizer / BioNTech ou Moderna Covid-19. Entre as participantes, 84 estavam grávidas, 31 estavam amamentando e 16 não estavam grávidas ou amamentando. As amostras foram coletadas entre 17 de dezembro de 2020 e 2 de março de 2021. 

Os níveis de anticorpos induzidos pela vacina foram equivalentes em mulheres grávidas e lactantes, em comparação com mulheres não grávidas. Os níveis de anticorpos foram “surpreendentemente mais altos” do que os resultantes da infecção por coronavírus durante a gravidez, observou a equipe. 

“Essas vacinas parecem funcionar de forma incrivelmente eficaz nessas mulheres”, disse um dos pesquisadores, Galit Alter, professor de medicina do Instituto Ragon. 
Além disso, a equipe descobriu que as mulheres passavam anticorpos protetores para seus recém-nascidos, medidos no leite materno e na placenta. Alter disse que pesquisas adicionais são necessárias para entender quanto tempo esses anticorpos protetores duram em recém-nascidos. 

As descobertas estão de acordo com pesquisas recentes, embora este seja o maior estudo sobre vacinas em mulheres grávidas, até o momento. Mulheres grávidas e lactantes não foram incluídas nos ensaios clínicos iniciais das vacinas.  

Os participantes usaram a ferramenta V-safe do Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA, que permite que as pessoas que receberam a vacina Covid-19 rastreiem sua reação. Alter disse que não encontraram evidências de mais efeitos colaterais ou efeitos colaterais mais intensos em mulheres grávidas e lactantes do que na população em geral. 

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês).