Butanvac, Versamune: o que se sabe sobre as novas vacinas contra a Covid-19

Novos imunizantes foram anunciados pelo governo de São Paulo e pelo governo federal, respectivamente, na sexta-feira (26)

Weslley Galzo, Gregory Prudenciano e Matheus Prado, da CNN, em São Paulo
27 de março de 2021 às 10:12
Ilustração de vacina contra Covid-19 desenvolvida no Brasil
Ilustração de vacina contra Covid-19 desenvolvida no Brasil
Foto: MIGUEL NORONHA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

 O governo de São Paulo, através do Instituto Butantan, e o governo federal, através do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC), anunciaram na sexta-feira (26) que estão desenvolvendo suas próprias vacinas contra o novo coronavírus: Butanvac e Versamune, respectivamente.

As iniciativas, no entanto, não estão necessariamente próximas de chegar à população. Ambos projetos dependem do crivo da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para que possam ser feitos os primeiros testes clínicos em humanos. Só depois destes resultados, e comprovada a eficácia, que a produção poderá começar.

Quando ficam prontas?

Em entrevista à CNN, o pesquisador e infectologista Júlio Croda, da Fiocruz, disse que o prazo anunciado pelo governador João Doria de início, em julho, da aplicação de 40 milhões de doses dificilmente será cumprido.

"Não é tão rápido que isso acontece. Apesar da capacidade de produção existir pelo Instituto Butantan, por usar tecnologia similar à vacina da gripe, a gente precisa de tempo desses estudos de fase 3 para evidenciar a eficácia da vacina, assim como foi feito com a Coronavac", afirmou.

Já Helena Faccioli, CEO da Farmacore, indústria farmacêutica que participou do desenvolvimento da Versamune, afirma que a previsão é que os ensaios clínicos, em humanos, durem entre seis e nove meses. 

Se a Anvisa liberar os ensaios clínicos, as empresas farão as primeiras duas fases de testes em cerca de 360 voluntários. O objetivo é avaliar se a vacina gera os anticorpos necessários e se não há efeitos colaterais graves. 

Na sequência, vem a fase três, que deve contar com 20 mil a 30 mil voluntários e servirá para testar se o imunizante realmente vai oferecer a proteção necessária no dia a dia. A partir disso, ela espera que entre janeiro e fevereiro de 2022 a Anvisa já esteja analisando um pedido de uso emergencial da vacina. Se for aprovado, a distribuição pode ser feita imediatamente. 

Como funcionam?

Faccioli explica que a Versamune tem a proteína S-1, que impede que o vírus se conecte às células do corpo, evitando a instalação da doença. Ainda que o vírus consiga se ligar à célula, o SARS-Cov-2 será combatido pelas células T ativadas por uma partícula nano lipídica também presente na vacina, - a grosso modo, é como uma partícula de gordura muito pequena.

Assim, a ação do imunizante se baseia na interação destes dois compostos. Se o trabalho da proteína S-1 falhar, as partículas nano lipídicas terão "treinado" as células T para o combate ao novo coronavírus, o que inclusive colabora para que pessoas que tenham contraído o vírus uma vez não passem por uma reinfecção. 

Já a Butanvac usa o vetor viral da proteína Spike do coronavírus, que foi modificado geneticamente. Apesar da diferença em relação ao vírus da gripe, a produção será feita com os mesmos métodos utilizados pelo Butantan na vacina contra a influenza.

A principal mudança que este sistema de produção traz é a sua simplicidade em relação aos demais métodos utilizados no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, em geral mais tecnológicos e com necessidades especiais de armazenamento.

Quantas doses serão necessárias?

O diretor do Butantan, Dimas Covas, afirmou que a vacina Butanvac poderá imunizar a população com apenas uma dose. "É uma possibilidade. O fato de você ter uma melhor resposta imunológica permite utilizar apenas uma dose".

No caso da Versamune, serão duas doses com intervalo de 21 dias entre elas. Até o momento, os testes foram conduzidos em camundongos, e a resposta imunológica foi muito satisfatória: 98% dos animais não foram infectados pelo vírus. Dos que desenvolveram a doença, nenhum morreu.

São eficazes contra as variantes do novo coronavírus?

Butanvac é desenvolvida, segundo Covas, para garantir o combate da variante P1 do coronavírus, identificada pela primeira vez em Manaus. Além de neutralizar a variação brasileira do vírus, ele disse que o Butantan poderá adaptar o imunizante. "Na realidade, nós trabalhamos na versão P.1 da vacina, então quando entrar em produção será na versão P.1", afirmou.

Coordenador da pesquisa da USP, Célio Lopes Silva diz que a Versamune também pode se modificar para combater as variantes do novo coronavírus.