Pacientes com sintomas prolongados de Covid apontam melhora após vacina

Pesquisadores estão investigando alguns dos chamados portadores de longa duração do coronavírus, que afirmam ter apresentado melhora após a vacinação

Ryan Prior, CNN
06 de abril de 2021 às 14:52
Os sintomas persistentes sentidos por Jessamyn Smyth após se curar da Covid-19 m
Os sintomas persistentes sentidos por Jessamyn Smyth após se curar da Covid-19 melhoraram após a vacina
Foto: CNN

Jessamyn Smyth espera que duas injeções no braço possam ser o que finalmente a livrará de um ano em que os efeitos duradouros de Covid-19 causaram o caos em sua vida.

Ela diz que depois de contrair uma infecção aguda por coronavírus em março de 2020 continuou tendo uma série de problemas de saúde. Durante meses, sofreu de falta de ar, batimento cardíaco irregular e acelerado, diarreia e erupções cutâneas incomuns.

Como muitos long haulers ou portadores de longo curso, que sofrem os impactos da doença por um período extenso, Smyth sente uma "exaustão que nocauteia”. “Desmaio por 15 horas", explicou em um e-mail para a CNN.

Escritora e professora em Holyoke, Massachusetts, nos Estados Unidos, ela tinha dificuldade até mesmo para se lembrar de palavras básicas que usava todos os dias, como "pontuação". Sua vida como estudiosa e ávida nadadora havia desmoronado.

"No final, perdi dois empregos, o fim da vida cognitiva de minha mãe e sua transição para o tratamento da demência, um parceiro e uma casa, além de toda segurança financeira. Eu temi perder também minha vida e identidade como nadadora de resistência e atleta," ela disse. Mas, enfim, recebeu a vacina.

Uma recuperação instantânea

Dentro de algumas semanas, sua fadiga e seus problemas cognitivos estavam "visivelmente melhores", disse ela. Suas erupções desapareceram. E depois de sua segunda dose da vacina Pfizer, em 24 de fevereiro, seus sintomas continuaram melhorando.

Histórias como a de Smyth estão ganhando força nas redes sociais, oferecendo uma possibilidade tentadora quando clínicas especializadas parecem não ter as respostas sobre como tratá-las. 

Uma parte dos long haulers pode estar encontrando alívio pela vacina. Se assim for, pode ser uma virada de jogo para o número crescente de pessoas que enfrentam problemas de saúde de longo prazo e até mesmo deficiências: de 10% a 30% das pessoas que contraem Covid-19 apresentam sintomas de longo prazo, de acordo com o National Institutes of Health, dos Estados Unidos. 

No entanto, os especialistas ainda não estão certos sobre o porquê dessa melhora e nem quanto tempo pode durar esse quadro de redução ou fim dos sintomas.

No caso de Smyth, sua frequência cardíaca em repouso, que ela costumava registrar em 150 batimentos por minuto após a Covid-19, voltou à pulsação forte e lenta de um atleta de resistência, em torno de 50 a 60. (A maioria dos adultos saudáveis ??tem frequência cardíaca em repouso entre 60 e 100, com aqueles na extremidade inferior tendo maior proteção contra ataques cardíacos, de acordo com a Harvard Medical School).

"Minha pele estava diferente. Meu cérebro estava diferente. Comecei a me sentir como eu mesma pela primeira vez em um ano", disse ela.

Judy Dodd é outra portadora de longo curso da Covid-19, doente há um ano, que está melhorando repentinamente após a vacinação com a Pfizer. Ela diz que voltou a 90% do seu potencial físico em comparação a como se sentia antes de ficar doente.

"Depois da minha segunda vacina, no dia seguinte eu tive febre alta e segui por alguns dias de fadiga e fortes dores de cabeça", disse ela à CNN. "E então eu acordei, era uma manhã de domingo, o quarto dia. E era como aqueles comerciais de café que você levanta e o sol está nascendo. Eu me senti ótima. Foi uma mudança de atitude. Acordei pronta para agir. Agora eu tenho energia. A falta de ar sumiu. As dores de cabeça sumiram. E principalmente a fadiga sumiu."

Estudos insuficientes

Até agora, grandes estudos sobre recuperação e vacinas estão em falta.

Uma pesquisa observacional recente feito no Reino Unido está disponível em pré-impressão porque não foi submetida à revisão dos pares. Ele comparou como os pacientes hospitalizados com Covid-19 se saíram após a vacinação em relação aos pacientes com Covid-19 anteriormente hospitalizados que não receberam suas vacinas. Cerca de 23% dos vacinados relataram resolução dos sintomas, enquanto 15% dos participantes não vacinados também disseram que se sentiam melhor. 

Esse estudo teve uma amostra pequena, de apenas 44 pacientes, e embora seja estatisticamente significativa, a parcela que melhorou não foi muito grande.

"A questão até agora é episódica", disse Anthony Fauci, médico e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, durante uma audiência do Comitê de Energia e Comércio, em 17 de março. "Muitas pessoas melhoram de qualquer maneira, e se você se vacinar e melhorar, não é certeza de que a vacina causou uma recuperação espontânea. É preciso fazer um ensaio randomizado para determinar isso."

Ainda assim, relatos episódicos como esses podem começar a se acumular, especialmente para médicos que tratam de portadores de longo curso há meses.

"Está se tornando grande o número de relatos, centenas de relatos de pacientes de Covid que cuidamos há quase um ano", disse Daniel Griffin, médico e chefe de doenças infecciosas da ProHealth, instrutor de medicina clínica na Universidade Columbia. "Eles estão relatando que após a vacinação estão percebendo uma melhora significativa, se não completa, de seus sintomas longos de Covid."

Ele estimou que 30% a 40% de seus pacientes com sintomas prolongados de Covid-19 disseram que estavam se sentindo melhor após as vacinações, e o aumento na energia e clareza mental parecia vir de todas as três vacinas atualmente autorizadas nos Estados Unidos.

Hipóteses e pistas

A CNN procurou as três empresas - Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson - cujas vacinas foram autorizadas nos Estados Unidos. Uma porta-voz da Pfizer observou que a empresa "poderia ?capturar sintomas de longo prazo em indivíduos que tiveram Covid" como parte de seus testes clínicos, e que poderia escolher examinar a questão como parte de uma análise post hoc (posterior à visualização de dados).

Descobrir por que as vacinas melhoram casos prolongados da doença pode ser uma pista sobre o porquê de sintomas persistentes aparecerem primeiro.

"Uma das teorias para explicar a Covid de longo curso era que talvez haja um subconjunto de indivíduos - infelizmente um subconjunto maior do que qualquer um de nós gostaríamos de acreditar - que não conseguiu eliminar o vírus", disse Griffin. "Mas, então, eles recebem a vacina e são capazes de ter uma resposta imunológica adequada e robusta. Isso pode ser o que faltava para eliminar o vírus."

Kartik Sehgal, oncologista médico do Dana-Farber Cancer Institute e instrutor da Harvard Medical School, concorda com a tese de que essa dificuldade de eliminar o vírus é o que estende os sintomas. 

"Uma das hipóteses é que isso está relacionado ao vírus, o que significa que estão se escondendo na forma de um reservatório no corpo, seja o vírus real ou seu material genético que está causando inflamação de baixo nível e de longa duração", disse Sehgal, que participa de um artigo de revisão recente sobre o Covid-19 de longo curso, publicado na revista científica Nature Medicine.

Sehgal e Griffin arriscaram outra hipótese: Covid de longo curso poderia causar disfunção imunológica persistente mesmo depois que o SARS-CoV-2 deixasse o corpo. A partir dessa perspectiva, as vacinas de mRNA distribuídas pela Pfizer e Moderna, que ensinam o sistema imunológico como responder a um pico de proteína na superfície do coronavírus, podem representar o que Griffin chamou de "reinicialização forçada do sistema imunológico".

No entanto, relatos pontuais sugerem que a vacina Johnson & Johnson, que não usa mRNA, também pode estar instigando recuperações de Covid de longo curso, mesmo que não estimule o sistema imunológico da mesma maneira.

Como há relatos de todas as três vacinas ajudando alguns enfermos de longa data, é provável que estejam lutando contra uma infecção, em vez de consertar uma disfunção imunológica persistente causada pelo vírus.

"Está começando a fazer muitos de nós pensarmos que talvez a teoria da persistência viral seja a mais factível com base nos dados que temos", disse Griffin.

É muito cedo para dizer, no entanto, se as remissões via vacina são permanentes ou se os tratamentos para casos de longo curso podem ser revertidos.

Até agora, nenhum dos pacientes de Griffin que relataram recuperações induzidas pela vacina teve recaída, mas ainda é cedo. Como membro sênior do United Health Group, ele vai estudar 10 mil pessoas ao longo de cinco anos e formulou perguntas sobre a vacina nos questionários do estudo.

"Estou muito curioso sobre a durabilidade dessa resposta (imunológica)", disse ele.

Recuperação não acontece em todos os vacinados

Embora alguns pacientes de longo curso digam que melhoraram após a vacina, eles parecem ser a minoria.

Cerca de 347 dias em sua jornada com a Covid-19, Maneesh Juneja, um consultor de saúde digital no Reino Unido, viu seus sintomas mudando, indo embora e retornando ao longo do ano passado.

Ele regularmente lida com uma "terrível pressão cerebral" que faz sentir que sua cabeça está prestes a "explodir". Ele também apresenta fadiga tão forte que torna impossível levantar a cabeça do travesseiro.

Nas semanas que antecederam a primeira dose da vacina, os sintomas de Juneja eram uma "mistura de coisas", explicou ele, com a aceleração em períodos específicos. Quando chegou o dia da vacina, ele teve azar. Seus sintomas aceleraram novamente.

"Sinto-me pior nas três semanas após a vacina em comparação com as três semanas antes da vacina", escreveu ele por e-mail. "No entanto, não há como saber se a vacina desencadeou minha recaída ou se iria acontecer de qualquer maneira durante o curso normal da minha doença."

Ele argumentou que experiências como a sua ressaltam a importância de mais testes e pesquisas para Covid-19. "Muitos dos primeiros insights sobre Covid de longa duração e o impacto da vacina vieram de pesquisas conduzidas por pacientes", disse ele. "Mas nem todo paciente de longo curso com Covid faz parte de uma comunidade de pacientes on-line, então precisamos de pesquisas mais abrangentes para entender o real impacto da vacina em pacientes com Covid de longo curso."

(Texto traduzido. Leia o original, em inglês)