Alimentos ultraprocessados aumentam riscos de problemas cardíacos, aponta estudo

A cada porção adicional destes tipos de alimentos, o risco de morte por doenças cardiovasculares pode aumentar em 9%

Letícia Brito Silva, da CNN, em São Paulo*
13 de abril de 2021 às 12:25
Domino's
Foto: Divulgação/Domino's

O consumo de alimentos como pizzas, hambúrgueres, refrigerantes e de doces como balas ou sorvetes, os chamados "ultraprocessados", podem estar associados ao risco de doenças como infarto e AVC.

Essa foi a conclusão de um estudo publicado no Journal of the American College of Cardiology, demonstrando que, a cada porção adicional destes tipos de alimentos, o risco de morte por doenças cardiovasculares pode aumentar em 9%.

O estudo, conduzido por cientistas da Universidade de Nova Iorque, avaliou 3.003 adultos sem problemas cardiovasculares, entre os anos de 1991 e 2008. Segundo os dados, os participantes consumiram, em média, cerca de 7,5 porções de alimentos ultraprocessados diariamente.

No total, os cientistas identificaram o desenvolvimento de 648 casos de doenças cardiovasculares (DCV) nos indivíduos testados, sendo 251 considerados graves. Outros 163 casos de doença arterial coronariana (DAV) também foram observados.

Ainda que outras populações possam ter resultados diferentes, a conclusão pelo estudo impacta diretamente o Brasil. Isso porque, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), alimentos ultraprocessados representavam, entre 2017 e 2018, cerca de 18% das calorias consumidas no país.

Nesse contexto, o consumo de alimentos como pizzas, carnes salgadas/secas/defumadas, salgadinhos, refrigerantes, doces e biscoitos esteve presente em mais de 20% das refeições de famílias das regiões Sul e Sudeste, os maiores consumidores desse tipo de alimento. A proporção também aumenta nas grandes cidades e em famílias mais ricas.

De acordo com dados da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, isquemia cardíaca foi a principal causa das mortes no Brasil em 2017. No mundo, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), doenças cardíacas foram as principais causas de morte nos últimos 20 anos. E esse número vem crescendo, tendo matado cerca de duas milhões de pessoas em 2000 e nove milhões em 2019 - representando cerca de 16% do total de mortes.

*Sob supervisão de Julyanne Jucá