Estudo da USP: Média de eficácia da máscara de algodão contra Covid-19 é de 40%

Nas máscaras de TNT, feitas de polipropileno - um tipo de plástico -, a eficiência variou de 80% a 90%

Anthony Wells, da CNN em São Paulo
04 de maio de 2021 às 08:06 | Atualizado 04 de maio de 2021 às 10:27

Um novo estudo da Universidade de São Paulo (USP) mostra que a média de eficácia das máscaras de algodão contra o novo coronavírus é de 40%.

Todas as máscaras testadas na pesquisa passaram por um equipamento que produz partículas de aerossol de tamanho controlado, equivalente ao tamanho do coronavírus. Após o jato, os pesquisadores mediam a concentração de partículas da máscara. 

Os modelos que se mostraram mais eficazes no teste foram as máscaras cirúrgicas e as do tipo PFF2 e N95 que conseguiram filtrar entre 90% e 98% das partículas de aerossol.

Na sequência, estão as de TNT (feitas de polipropileno, um tipo de plástico), onde a eficiência variou de 80% a 90%. 

Por último vieram as de tecido -- grupo que inclui modelos feitos com algodão e com materiais sintéticos, como lycra e microfibra. A eficiência de filtração variou entre 15% e 70%, com média de 40%.