'Guarde a máscara em um saquinho plástico quando tirá-la para comer', diz médico

Infectologista do Hospital das Clínicas explica sobre uso correto de máscara N95 (PFF2) e ressalta: "máscara úmida perde o poder de proteção"

Produzido por Elisângela Franco, da CNN em São Paulo
09 de maio de 2021 às 10:49

 

As máscaras de tecido, cirúrgicas e descartáveis são fundamentais para a proteção contra o coronavírus. A N95 (ou PFF2) saíram do ambiente hospitalar e estão no dia a dia da comunidade. "A máscara é peça do nosso vestuário durante 2020 e 2021 todo. Então, não vai ser incomum a gente abrir o guarda-roupa e ter muitas máscaras. Eu tenho uma gaveta de máscaras já”, diz Álvaro da Costa, infectologista do Hospital das Clínicas, .

No entanto, ainda hoje muitos não fazem o uso correto ou têm dúvidas sobre o armazenamento e troca das máscaras. O infectologista ressalta que sair para correr ou mesmo passar o dia inteiro com a mesma máscara exige atenção para que não permaneça com ela úmida no rosto.

“Quando a máscara está úmida, perde o poder de prevenção. É recomendado, quando você usa máscara cirúrgica ou de tecido de pano, você trocar a máscara. Então, descarte ou a coloque para lavar, se for em tecido de pano."

O tempo em que uma máscara N95 (ou PFF2) pode ser reutilizada ainda vem sendo estudado, já que em tese, dentro dos hospitais, ela é descartável. 

“A máscara N95 tem um poder maior de vedação. Muitas pessoas têm comprado. Ela veda melhor a região de narina e de boca. Ela tem um potencial de prevenção um pouco melhor do que as máscaras cirúrgicas. Geralmente, são máscaras descartáveis. Eu vou usar durante um período e depois eu posso descartar. Não tenho a capacidade de aproveitá-la por muito tempo."

No entanto, caso a pessoa queira reutilizar, o ideal é que elas fiquem devidamente armazenadas.

“O que a gente recomenda é que você use essa máscara durante algum tempo e descarte. Ou no período que você ainda está aproveitando para uso, você deve guardar essa máscara N95 num saquinho ou plastiquinho."

Essa troca de máscara ou intervalo em que as pessoas vão se alimentar e, eventualmente, ficarão sem, deve ser adequada. “O grande problema do uso de máscara é que as pessoas tiram e colocam a máscara no bolso, em cima da mesa", diz.

O infectologista fez um alerta especial para quando a pessoa sente vontade de espirrar e está com a máscara de proteção. “Nunca tire a máscara quando tiver vontade de espirrar, porque será um mecanismo de transmissão se houver alguém próximo. Espirre na máscara, se ela ficar úmida, você vai para outro local, higieniza a mão e troca a máscara, porque ela é a barreira”.

Álvaro da Costa, infectologista do Hospital das Clínicas
Álvaro da Costa, infectologista do Hospital das Clínicas
Foto: Reprodução / CNN