Saúde inclui mais 100 milhões de doses da Pfizer no Programa de Imunizações

O acréscimo faz com que o imunizante responda hoje por 31,7% das vacinas contratadas pelo Brasil

Da CNN, em São Paulo
12 de maio de 2021 às 23:58 | Atualizado 12 de maio de 2021 às 23:58

O Ministério da Saúde inseriu formalmente nesta quarta-feira (12) mais 100 milhões de doses da vacina da Pfizer no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

De acordo com informações da analista de Economia da CNN Raquel Landim, o acréscimo faz com que o imunizante responda hoje por 31,7% das vacinas contratadas pelo Brasil, sendo o segundo maior fornecedor previsto. 

A primeira vacina em número de doses segue sendo a de Oxford/AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O imunizante da Fiocruz representa 36,5% das doses contratadas. Enquanto a Coronavac, a mais aplicada no Brasil neste momento, é a terceira, com 20,4% do total contratado.

O PNI prevê 632,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Até o momento, foram aplicadas 48,7 milhões de doses de imunizantes contra a doença do novo coronavírus.

Doses aplicadas

Se a Coronavac vem ao todo em uma menor quantidade, a vacina do Instituto Butantan em parceria com a Sinovac chegou primeiro. O imunizante corresponde a 72,2% das vacinas aplicadas no país desde janeiro, quando a imunização começou no país.

A Fiocruz, com a vacina de Oxford/AstraZeneca, vem em seguida com 27,4% e a Pfizer, recém-chegada ao país, com apenas 0,4%.

As entregas do Instituto Butantan caíram com a demora na importação de insumos, que vem da China. De 23,8 milhões de doses enviadas em março para 5 milhões de doses enviadas em maio. A Fiocruz subiu a produção de 5,2 milhões de doses para 24,6 milhões no mesmo período.

Vacina da Pfizer começa a ser aplicada em Porto Alegre
Aplicação da Pfizer em Porto Alegre (06.mai.2021)
Foto: Reprodução / CNN