Estudo brasileiro descobre como ocorre metade dos casos de câncer

No quadro Correspondente Médico, neurocirurgião Fernando Gomes analisou estudo da UFRJ que correlaciona alteração de proteína com surgimento da doença

Nicole Lacerda e Raphael Florêncio, da CNN, em São Paulo
09 de junho de 2021 às 08:31

Na edição desta quarta-feira (9) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes analisou um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que pode explicar mais da metade dos casos de câncer.

Segundo os cientistas da instituição, o que acontece no aparecimento de mais de 50% dos casos da doença em todo mundo é uma alteração em uma proteína chamada p53, conhecida como "guardiã do genoma", que evita a multiplicação das células doentes. O estudo foi publicado na revista científica Chemical Science e pode significar novas perspectivas para o tratamento do câncer.

"Temos dentro das nossas células toda a nossa herança genética, constituída pelo DNA e RNA, e um 'setor' do DNA produz essa proteína, a p53, que constantemente faz o gerenciamento da multiplicação celular", explica Gomes. "Se alguma mutação acontece - e todo dia está acontecendo - em nossas células, esse setor entra em ação e simplesmente faz com que a célula deixe de existir, induzindo um processo chamado apoptose, a morte celular."

Ainda segundo o médico, o estudo da UFRJ mostrou que em mais de 50% dos casos de câncer existe a correlação com alteração da proteína p53. "Essa pesquisa mostrou que quando essa proteína não funciona de forma adequada, ela deixa 'passar' o processo natural de mutações e o câncer se manifesta. Portanto, isso significa um caminho a ser reforçado no entendimento da doença e busca de uma cura", concluiu Gomes.

Ilustração de células de câncer em divisão; estudo da UFRJ relaciona alteração em proteína com surgimento da doença
Foto: Colin Behrens via Pixabay