Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    5 coisas para saber sobre vacinas de mRNA, criadas pelos cientistas que venceram o Prêmio Nobel

    Katalin Karikó e Drew Weissman, ambos da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, alcançaram avanço aproveitando poder do material genético conhecido como RNA mensageiro

    Katie Huntda CNN

    Dois cientistas pioneiros que criaram a tecnologia por trás das vacinas contra a Covid-19, que salvam vidas, ganharam o Prêmio Nobel de medicina ou fisiologia.

    Katalin Karikó e Drew Weissman, ambos da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, alcançaram seu avanço aproveitando o poder do material genético conhecido como RNA mensageiro, ou mRNA.

    As suas descobertas iniciaram um novo capítulo na medicina, abrindo caminho para novas vacinas para outras doenças infecciosas, incluindo a gripe, e tratamentos para doenças não infecciosas, como o cancro.

    1 – O que o mRNA faz

    O RNA mensageiro, ou mRNA, é uma forma de ácido nucleico que informa às células o que fazer com base nas informações contidas no DNA.

    Ao contrário do DNA, que funciona como um manual de instruções para a vida contido em cada célula, o mRNA é uma peça temporária do código genético que pode criar uma proteína ou reparar danos.

    Os pesquisadores costumam usar uma analogia com um livro de receitas. O DNA é um grosso livro de receitas, enquanto o RNA é a cópia manuscrita de uma receita individual que é amassada e jogada fora após o uso.

    Os cientistas já sabem há muito tempo sobre o mRNA, mas, anteriormente, pensava-se que ele era muito instável para ter valor como ferramenta terapêutica.

    2 – O que os ganhadores do Nobel descobriram

    O principal avanço de Karikó e Weissman foi encontrar uma forma de alterar os blocos de construção do RNA, chamados nucleótidos, para fazer com que o nosso corpo produzisse uma resposta imunitária.

    Robin Shattock, professor de infecção e imunidade de mucosas no Imperial College London, disse que o “trabalho seminal” da dupla na compreensão de como configurar o RNA foi fundamental para o sucesso da vacina de mRNA, altamente eficaz contra a Covid-19.

    “Seu trabalho fundamental no uso de nucleotídeos modificados, os blocos de construção do RNA, para evitar a ativação do sistema imunológico inato será fundamental para o uso bem-sucedido de futuras vacinas de RNA e de novos medicamentos baseados em RNA”, disse Shattock.

    3 – Como as vacinas mRNA diferem de outras vacinas

    Muitas vacinas usam versões enfraquecidas ou mortas dos vírus – não o suficiente para deixar uma pessoa doente, mas uma quantidade que fará o sistema imunológico responder para que o corpo produza anticorpos caso encontre o vírus real. Essas são chamadas de vacinas vetoriais.

    Outra técnica relacionada – empregada em vacinas de subunidades proteicas – utiliza pedaços purificados de um vírus para desencadear uma resposta imunológica.

    No entanto, o desenvolvimento desses tipos de vacinas pode ser demorado e pode ser difícil modificá-las rapidamente.

    A tecnologia de vacina baseada em RNA mensageiro não depende de uma versão modificada de um vírus para produzir uma resposta imunológica. Ele usa mRNA modificado para instruir as células do corpo a produzir proteínas que treinam o sistema imunológico para defender o corpo contra uma doença específica.

    4 – O que a equipe alcançou

    O fascínio de Karikó pelo potencial terapêutico do mRNA começou enquanto ela estava na pós-graduação na Hungria e nunca diminuiu, apesar de vários contratempos, perdas de emprego, dúvidas e uma mudança transatlântica.

    A sua convicção de que poderia ser usado para combater doenças suscitou ceticismo, e as bolsas a que se candidatou foram frequentemente rejeitadas.

    Karikó, agora professora-adjunto de neurocirurgia na Perelman School of Medicine da Penn, conheceu Weissman por acaso em 1997. O comitê do Nobel disse que a formação de Weissman em imunologia e a experiência de Karikó em bioquímica de RNA significavam que os dois cientistas se complementavam bem.

    “Acho que o importante é que não poderíamos ter chegado ao resultado sem o envolvimento de ambos”, disse Weissman, professor de pesquisa de vacinas na Perelman School of Medicine, em um vídeo compartilhado na segunda-feira (2) pela Universidade de Pensilvânia.

    O seu estudo inovador foi publicado em 2005, 15 anos antes do início da pandemia de Covid-19.

    Thomas Perlmann, secretário-geral da Assembleia do Nobel da Medicina, disse que, naquele momento, havia muitos obstáculos a ultrapassar antes de poder utilizar a tecnologia na forma de vacina.

    Esses obstáculos incluíam a fabricação de mRNA em grandes quantidades e o refinamento de um método de entrega de mRNA nas células. No entanto, ele disse que seu trabalho inicial significou que as vacinas Covid-19 baseadas em mRNA tiveram “um início brilhante” quando a pandemia surgiu.

    5 – Potencial além do combate à Covid-19

    O advento da tecnologia de vacina de mRNA levou a uma proteção segura e forte contra a Covid-19. Mas os proponentes dizem que isso é apenas o começo.

    Os primeiros estudos sugerem que a tecnologia de mRNA se mostra promissora como tratamento para cânceres, incluindo melanoma e câncer de pâncreas, e está sendo estudada para uso em vacinas contra gripe sazonal, vírus sincicial respiratório (RSV) e HIV.

    Outros caminhos de pesquisa contínua de mRNA incluem a exploração de um novo caminho para tratar doenças autoimunes. E a tecnologia de mRNA também está sendo avaliada como uma possível alternativa à terapia genética para doenças intratáveis, como a doença falciforme.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original