5 maneiras de fazer o seu filho usar máscaras contra Covid-19

Sabemos que pequenos humanos puxam e puxam as máscaras constantemente. Veja dicas para evitar esse comportamento

Criança e mãe usam máscaras durante consulta médica
Criança e mãe usam máscaras durante consulta médica Foto: Marko Geber/Getty Images

Matt Villano, da CNN

Ouvir notícia

Adicione à sua lista de compras de volta à escola do outono de 2021: compre mais máscaras.
Espera-se que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA recomendem que todos nas escolas de ensino fundamental e médio usem máscara, independentemente de seu status de vacinação, uma vez que atualiza suas diretrizes de mascaramento em resposta à variante Delta mais transmissível, de acordo com um oficial de saúde do governo .

Sabemos que pequenos humanos puxam e puxam as máscaras constantemente, e as crianças não param por aí. Eles deixam as pontas cair sob seus narizes e às vezes até puxam as máscaras para baixo de suas bocas, só porque podem.

Apesar de todos os protestos de crianças em países onde as máscaras ainda não fazem parte da cultura, elas são itens são obrigatórias neste outono, de acordo com o CDC.

O CDC já recomendou que todas as crianças com mais de 2 anos usem coberturas para o rosto em locais públicos fechados para ajudar a reduzir a disseminação da Covid-19.

Isso significa que agora é a hora de trazer as crianças de volta à realidade das máscaras nas escolas. Conhecemos crianças em todo o mundo que já sabem usá-las — o uso delas simplesmente faz parte da rotina quando saem de casa.

Como você faz o seu filho usá-las? Pedimos dicas para médicos, psicólogos e pais sobre quais seriam as melhores estratégias para fazer com que os pequenos usassem máscaras e as mantivessem em seus rostos. Aqui estão as cinco sugestões principais.

Conheça seu filho

Crianças de máscara
Foto: Justin Paget/Getty Images

Cada criança é diferente, o que significa que cabe aos pais pensar sobre como cada um de seus filhos pode se relacionar com as máscaras.

“Não é uma coisa do tipo ‘tamanho único'”, disse Jennifer Sciolla, diretora sênior de serviços infantis e familiares do Hospital Nemours Alfred I. duPont para Crianças em Wilmington, Delaware. “Você sempre deseja criar um tempo e um espaço no início para que os pais considerem seus filhos.”

Os pais devem se fazer uma série de perguntas antes mesmo de tentar formular uma estratégia para fazer os filhos usarem as máscaras, sugeriu Sciolla.

Entre elas estão: O que é importante para meu filho? Como meu filho entende as informações? Quão ciente do mundo exterior meu filho está? Até que ponto uma máscara ou a possibilidade de uma máscara podem causar ansiedade em meu filho?

Parte do problema é a idade. As crianças podem ter medo de ver outras pessoas com máscaras porque não têm a capacidade de reconhecer e ler os rostos — habilidade desenvolvida durante a adolescência, segundo a pesquisa.  

Outro fator: as necessidades de desenvolvimento de uma criança.

Stephanie Ranno, cuja filha Emmy, de 7 anos, está no espectro do autismo, disse que a sua filha luta para usar máscaras por um longo período.

Ranno, que mora fora de Baltimore, acrescentou que é difícil saber por que sua filha não gosta das máscaras porque ela tem um atraso de linguagem expressivo, o que significa que ela nem sempre consegue se comunicar de maneira adequada.

“Emmy está aprendendo a interpretar expressões faciais para interações sociais apropriadas e as máscaras tornam quase impossível que isso aconteça”, escreveu Ranno por mensagem de texto. “Nossas principais preocupações em mandá-la de volta à escola estão concentradas na dificuldade em sua capacidade de interagir de forma segura e positiva com professores e colegas.”

Explique o que está acontecendo

Crianças usando máscaras
Foto: Hello Africa/Getty Images

Os pais e responsáveis não podem simplesmente esperar que os pequenos entendam por que devem usar coberturas faciais — os pais devem explicar com palavras e conceitos que as crianças possam entender.

Para crianças em idade pré-escolar, isso pode significar oferecer uma versão da Rua Sésamo da etiqueta pandêmica: o vírus é um cara mau, e nós, humanos, devemos fazer o que pudermos para proteger nossos pulmões e corpo contra ele.

Para outros, especialmente para crianças mais velhas, pode significar um resumo mais detalhado e sofisticado da saúde pública e de nossa responsabilidade individual por um bem maior.

Os pais podem enfatizar a gentileza para fazer os filhos compreenderem que usar protetores faciais não é apenas sobre eles, recomendou Liza Suarez, professora assistente de psiquiatria clínica da Universidade de Illinois em Chicago.

“É útil dizer coisas como: ‘Máscaras faciais reduzem as chances de infectar outras pessoas’ e ‘Se todos nós usarmos máscaras, protegemos uns aos outros'”, disse Suarez, diretor da Clínica de Estresse Pediátrico e Transtornos de Ansiedade da universidade. “Você não pode fazer nada de errado se ensinar a seu filho que todos fazemos parte deste mundo e precisamos ajudar uns aos outros.”

Maki Katsuki, mãe de três filhos, concordou. Katsuki se mudou para Sonoma County, Califórnia, de Niseko, Japão, em 2017, e ela se lembra do que aprendeu sobre máscaras quando era criança crescendo na Ásia.

“Todo mundo aprendeu que usar uma máscara quando você está doente é a chave porque você não quer espalhar germes para outras pessoas”, disse ela.

Katsuki acrescentou que ela repetidamente exigiu que seus filhos usassem máscaras ao longo dos anos, dizendo: “Nós também as usamos para prevenir (de ficar) doente quando outros estão doentes.”

Envolva e envolva seus filhos

Criança com máscara
Foto: Halfpoint Images/Getty Images

Outra maneira de deixar as crianças animadas com as máscara é torná-las parte do processo. Isso pode ser tão simples quanto permitir que as crianças selecionem suas próprias máscaras ou tão complicado quanto convidar as crianças a se sentarem em frente a uma máquina de costura.

Para Melissa Cousino, a maravilha estava em deixar seu filho de 3 anos escolher uma cobertura para o rosto. A menina adora roxo e aproveitou a chance de escolher uma máscara que fosse sua cor favorita. Em geral, as crianças também gostam de ter uma palavra a dizer sobre o estilo das máscaras que usam, acrescentou Cousino.

“Você os deixaria escolher uma camiseta”, disse Cousino, professor assistente de pediatria na Michigan Medicine, o centro médico acadêmico da Universidade de Michigan em Ann Arbor, Michigan. “Por que você não os deixa escolher uma máscara?”

Courtney Fitzgerald, que mora em Shawnee, Kansas, levou o compromisso para engajar o uso de máscaras um passo adiante, fazendo com que seus três filhos ajudassem na confecção.

Fitzgerald disse que fez cerca de duas dúzias de máscaras desde o início da pandemia — incluindo algumas com tie-dye e tecido com padrão floral, uma com o logotipo do Kansas City Chiefs e uma de estampa de dinossauros e trolls.

Especificamente, ela disse que as crianças ajudaram a cortar o tecido e fazer as dobras nas próprias máscaras.

“Isso me lembra o conselho dos profissionais sobre como fazer seus filhos comerem novos alimentos — você os envolve no processo”, disse Fitzgerald, que admitiu ter invadido o estoque de tecidos de sua mãe em busca de alguns dos padrões mais difíceis de encontrar. “Eu (frequentemente) os encontro cavando através da pilha de tecido e escolhendo o próximo que eles querem que eu faça.”

Pratique, pratique, pratique

Pai e filha usando máscara
Foto: Marko Geber/Getty Images

Depois que os pais convencem os filhos a usar máscaras contra Covid-19, é fundamental que eles a aceitem. No mínimo, isso significa fazer com que as crianças usem as máscaras — e que as usem da maneira certa.

Os pais podem tentar fazer com que os filhos usem suas máscaras em casa por períodos curtos para se sentirem mais confortáveis, disse Suarez, o psiquiatra.

Cousino acrescentou que outra atividade divertida é fazer com que as crianças usem máscaras e se olhem no espelho para se familiarizar com as diferentes permutações de “smizing“, conceito em inglês utilizado para “sorrir com os olhos”. (Ela chamou isso de “jogo médico”.)

Os pais também podem considerar transformar o uso de máscara em um jogo, sugeriu Gail Robertson, psicóloga infantil do Children’s Mercy Hospital em Kansas City, Missouri.

“Porque temos essa associação em nossa cultura com (saúde pública) ser assustadora — ter máscaras como parte do jogo é essencial”, disse Robertson, professor assistente de pediatria da Escola de Medicina da Universidade de Missouri-Kansas City.

“Faça uma máscara para uma boneca. Também adoro ter máscaras na sala de jogos e no quarto, para que (as crianças) possam brincar com elas e investigá-las. Queremos fazer das máscaras parte de seu ambiente normal.”

A Dra. Mary Mason, uma médica residente em St. Louis, também acredita nessa abordagem.

Em 1999, Mason fundou a Little Medical School, uma empresa que fornece cursos de ciência e tecnologia.

No início do ano passado, sua empresa lançou kits de máscaras que consistem em duas coberturas faciais de tecido, uma fita métrica de cerca de 1,82 metros e uma folha de adesivos que diziam “FIQUE UM METRO LONGE, MEU BOM HÁBITO ESTÁ LAVANDO MINHAS MÃOS”, e mais.

“Não queremos que as crianças pensem que precisam de uma máscara de cirurgião de verdade, mas queremos ter certeza de que elas entendam a ciência”, disse Mason. “Quando você dá às crianças fatos e a ciência por trás deles, você os capacita a buscar a verdade.”

Comunique-se repetidamente

Crianças usando máscaras
Foto: kali9/Getty Images

Especialmente com crianças mais novas, a repetição é a chave para garantir o cumprimento das novas regras. Isso significa que, por mais que você não queira ser repetitivo, pode ter que soar como um disco quebrado para que seus filhos levem as máscaras a sério e entendam a gravidade da situação em meio a uma pandemia global.

O nome do jogo é consistência, disse Suarez, observando que os pais devem lembrar incansavelmente os filhos desta regra: Eles simplesmente não podem se mover no mundo agora sem usar uma máscara para proteger a si mesmos e aos outros.

“É como qualquer coisa com os pais, na verdade; isso não vai acontecer durante a noite”, disse ela. “Em vez disso, os pais precisam aceitar que estão lançando uma base que requer incrementos graduais de tempo. Aos poucos, os pais transmitem a mensagem.”

Lenneia Elmore, que mora em Orlando, Flórida, entende muito bem esse desafio.

Elmore brincou recentemente que ela tem estado tão na linha que ela praticamente desenvolveu um mantra para a sua filha de 2,5 anos, Ava.

“Sempre que vamos a qualquer lugar, fico dizendo a ela: ‘Não tire a máscara, brinque apenas com a mamãe'”, disse Elmore, cuja família tem um histórico de problemas médicos. “Comecei a dizer para ela em abril (2020), e agora ela repete para mim. Ela costumava pensar que eu era má quando lhe pedia para usar uma máscara. Agora ela entende. Ela usa sem dar trabalho. É como se finalmente tivesse entendido. Graças a Deus.”

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN