Agência de saúde dos Estados Unidos suspende vendas de cigarro eletrônico Juul

FDA afirma que dados apresentados pela empresa não trazem evidências suficientes sobre o perfil toxicológico dos produtos

Cigarro eletrônico
Cigarro eletrônico Foto: Lindsay Fox/Pixabay

Chris Kirkhamda Reuters

Ouvir notícia

A Food and Drug Administration (FDA), órgão dos Estados Unidos semelhante à Anvisa, impediu nesta quinta-feira (23) a fabricante de cigarros eletrônicos Juul Labs de vender seus produtos de nicotina nos Estados Unidos. A medida pode comprometer a empresa de San Francisco.

Após uma revisão de quase dois anos de dados científicos e de saúde pública apresentados pela empresa, a FDA afirmou que os documentos “faltavam evidências suficientes” sobre o perfil toxicológico dos produtos para demonstrar que comercializá-los seria apropriado no contexto de proteção da saúde pública.

A Juul, juntamente com outras marcas de cigarros eletrônicos, incluindo BATS.L Vuse, da British American Tobacco Plc, e IMB.L Blu, da Imperial Brands Plc, tiveram que cumprir o prazo de setembro de 2020 para apresentar dados à FDA mostrando que seus produtos forneceram um benefício líquido à saúde pública.

A agência teve que avaliar se cada produto era eficaz para fazer os fumantes deixarem de fumar e, em caso afirmativo, se os benefícios para os fumantes superavam os danos potenciais à saúde de novos usuários de cigarros eletrônicos – incluindo adolescentes – que nunca fumaram.

“Reconhecemos que eles constituem uma parte significativa dos produtos disponíveis e muitos desempenharam um papel desproporcional no aumento do vaping entre jovens”, disse o comissário da FDA, Robert Califf, em comunicado.

A empresa Juul não respondeu ao pedido de comentário da reportagem até o momento.

A Juul e outros fabricantes de cigarros eletrônicos vendem produtos nos Estados Unidos há anos sem serem oficialmente autorizados pela FDA, já que os reguladores atrasaram repetidamente os prazos para as empresas de cigarros eletrônicos cumprirem as diretrizes federais.

O uso de cigarros eletrônicos por adolescentes aumentou com a popularidade do Juul em 2017 e 2018.

O uso de cigarros eletrônicos entre estudantes do Ensino Médio cresceu de 11,7% em 2017 para 27,5% em 2019, antes de cair para 11,3% em 2021, de acordo com uma pesquisa federal.

Especialistas que conduziram a pesquisa para os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, disseram que os dados mais recentes sobre cigarros eletrônicos para jovens não podem ser comparados a anos anteriores devido a mudanças na forma como a pesquisa foi conduzida durante a pandemia de Covid-19.

Em 2020, a FDA proibiu todos os sabores, exceto tabaco e mentol, para cigarros eletrônicos baseados em cartucho, como Juul. A empresa havia retirado todos os outros sabores, incluindo menta e manga no final de 2019, após escrutínio regulatório e protestos de defensores do antifumo.

O governo Biden tem procurado outras maneiras de ajudar as pessoas a parar de fumar em um esforço para reduzir as mortes evitáveis ​​por câncer. A empresa disse, nesta semana, que planeja propor uma regra que estabeleça um nível máximo de nicotina em cigarros e outros produtos à base de tabaco para torná-los menos viciantes.

O Altria Group Inc MO.N, que tem uma participação de 35% na Juul, fechou em queda de 9% na quarta-feira (22) depois que o Wall Street Journal noticiou pela primeira vez, citando pessoas familiarizadas com o assunto, que a FDA estava se preparando para ordenar que a Juul retirasse seus cigarros eletrônicos do mercado.

(Edição por Bill Berkrot e Sriraj Kalluvila)

Mais Recentes da CNN