Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anvisa suspende temporariamente autorização do medicamento Evusheld para Covid-19

    Dados apresentados pela fabricante demostraram queda significativa na atividade do fármaco contra as variantes de preocupação do coronavírus em circulação no país

    Medicamento, que reúne dois compostos, tixagevimabe e cilgavimabe, recebeu autorização da agência em fevereiro de 2022
    Medicamento, que reúne dois compostos, tixagevimabe e cilgavimabe, recebeu autorização da agência em fevereiro de 2022 Chris Sweda/Chicago Tribune/Tribune News Service via Getty Images

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu temporariamente a autorização de uso emergencial do medicamento Evusheld para a Covid-19.

    O medicamento, que reúne dois compostos, tixagevimabe e cilgavimabe, recebeu autorização da agência em fevereiro de 2022, com indicação de uso na profilaxia pré-exposição e tratamento de casos leves a moderados de Covid-19, para pacientes que possuem alto risco de progressão e agravamento da doença.

    No entanto, segundo a Anvisa, dados apresentados pela fabricante demostraram queda significativa na atividade do fármaco contra as variantes de preocupação do coronavírus em circulação no país.

    Dados de eficácia

    Atualmente, a variante Ômicron e suas subvariantes são predominantes no Brasil, apresentando recentemente uma prevalência de 77% para a BQ.1 e 15% para a BA.5.

    Após a avaliação dos dados, a diretoria colegiada da agência decidiu, por unanimidade, suspender temporariamente a autorização de uso emergencial do medicamento, até que sejam apresentados dados que comprovem a sua eficácia contra as variantes do vírus em circulação no país.

    O pedido de uso emergencial foi apresentado pela empresa AstraZeneca, no dia 17 de dezembro de 2021. Segundo a Anvisa, a empresa deve comunicar aos profissionais de saúde sobre a ineficácia do medicamentos contra as variantes em circulação do SARS-CoV-2. Os lotes do medicamento disponíveis no país devem ser utilizados somente em casos de pacientes infectados por variantes suscetíveis ao produto.