Após atraso, doação da AstraZeneca salva vacina com IFA nacional da Fiocruz

Reagente necessário para a fórmula do IFA precisou ser doado pela farmacêutica porque fornecedores só tinham previsão de entrega para 2022

Isabelle ResendePedro Duranda CNN

No Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Depois de sucessivos atrasos e previsões frustradas nas entregas ao Ministério da Saúde, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) teve que recorrer a uma doação para garantir que conseguiria fabricar a vacina contra o coronavírus com Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) nacional, conforme previa. O socorro do laboratório inglês foi a única maneira de garantir a versão brasileira da vacina ainda neste ano.

É que um dos reagentes, um sal necessário para a composição do IFA, só chegaria no ano que vem pela disponibilidade dos fornecedores. As informações foram apuradas pela CNN com pessoas ligadas ao processo produtivo.

A Fiocruz tem sofrido com a crise mundial do IFA. A fundação foi impactada por uma sobrecarga na cadeia global de suprimentos. Ao longo do processo de fabricação de vacinas se deparou com a falta de itens como frascos de envasar, plásticos e tampões, itens necessários em larga escala para dar conta de armazenar com segurança e distribuir as doses para todo o país.

Eles optaram por esperar a chegada desses itens e só depois começar a produção de fato, para que o trabalho não fosse paralisado no meio do caminho – oferecendo risco à estabilidade das vacinas.

“O início da produção está previsto para abril, mas também é um processo complexo, então ele demora um pouco até que a gente tenha os lotes produzidos, os lotes validados, os lotes certificados em termos de qualidade, em termos regulatórios, então a expectativa é que a gente só consiga distribuir esses lotes no segundo semestre, possivelmente algo em torno de agosto é nossa expectativa hoje”, disse em fevereiro o diretor da fábrica de BioManguinhos, Maurício Zuma.

A previsão, no entanto, não se concretizou. A fundação reconheceu que o primeiro lote que começou a ser produzido em julho – e não abril – deve ficar pronto só para novembro – e não agosto. Eles dizem ainda que as entregas se estenderão para 2022, somando 50 milhões de doses, menos da metade das 112,4 milhões estimadas inicialmente.

A Fiocruz disse que o cronograma será atualizado de acordo com o andamento do projeto e o cumprimento de objetivos e de metas estabelecidas e que ‘por se tratar de um processo complexo qualquer alteração no cronograma será comunicada com transparência e maior brevidade possível’.

Em nota, a Fundação Oswaldo Cruz afirmou que ‘existe um aumento de demanda global por insumos utilizados na produção de vacinas, o que se reflete em algumas dificuldades de abastecimento, que afetam em maior ou menor grau as empresas produtoras’ e que ‘Bio-Manguinhos vem atuando diariamente com fornecedores e empresas parceiras para manter seus cronogramas de produção’.

Por questões contratuais, a Fiocruz não comenta sobre itens específicos, mas disse, em nota, ‘que no momento o abastecimento desses insumos está equacionado’.

Eles não responderam os questionamentos feitos pela CNN sobre as eventuais contrapartidas da doação, a função do reagente na fórmula, o valor da remessa enviada pela AstraZeneca e o atraso de outros itens essenciais para a vacina. A CNN aguarda posicionamento da Astrazeneca.

Mais Recentes da CNN