Astronautas enfrentam ‘anemia espacial’ quando deixam a Terra; entenda

Estudo divulgado recentemente indica que a taxa de destruição de glóbulos vermelhos é maior durante missões espaciais

O astronauta da Agência Espacial Europeia Tim Peake depois da coleta de sangue no espaço
O astronauta da Agência Espacial Europeia Tim Peake depois da coleta de sangue no espaço Anne Macclain/Nasa

Ashley Stricklandda CNN

Ouvir notícia

As viagens espaciais são conhecidas por serem duras para o corpo humano, mas novas pesquisas revelaram o quão intensamente elas atingem os glóbulos vermelhos.

Quando estamos na Terra, nossos corpos criam e destroem 2 milhões dessas células por segundo. No espaço, os astronautas experimentaram 3 milhões de glóbulos vermelhos destruídos por segundo, resultando em uma perda de células 54% maior do que as pessoas na Terra experimentam, de acordo com um novo estudo.

A menor contagem de glóbulos vermelhos nos astronautas é conhecida como “anemia espacial”.

“A anemia espacial tem sido relatada consistentemente quando os astronautas retornam à Terra desde as primeiras missões espaciais, mas não sabíamos o por quê”, disse o autor do estudo, Guy Trudel, médico de reabilitação, pesquisador do Hospital de Ottawa (Canadá) e professor da Universidade de Ottawa, em um comunicado.

Pesquisadores colheram amostras de respiração e sangue de 14 astronautas antes da sua estadia de seis meses na Estação Espacial Internacional. Os astronautas também colheram amostras quatro vezes durante seus voos. Os pesquisadores também coletaram sangue dos astronautas até um ano após os voos espaciais.

Os voos dos 11 homens e três mulheres ocorreram entre 2015 e 2020. Os resultados foram publicados na sexta-feira (14) na revista Nature Medicine.

Uma descoberta surpreendente

Quando os astronautas estão no espaço, eles experimentam um deslocamento de fluidos corporais em direção à parte superior do corpo, devido à falta de gravidade. Isto resulta num aumento da pressão sobre o cérebro e olhos, causando problemas cardiovasculares e uma perda de 10% do líquido nos seus vasos sanguíneos.

Os investigadores acreditavam que a anemia espacial era a forma do corpo se adaptar à mudança do fluido, resultando na destruição dos glóbulos vermelhos para restabelecer o equilíbrio. Também pensavam que a perda de glóbulos vermelhos era apenas temporária, restabelecendo-se após os astronautas passarem dez dias no ambiente espacial.

Trudel e a sua equipe descobriram um resultado surpreendente: o ambiente espacial é o verdadeiro culpado.

O astronauta canadiano David Saint-Jacques recolheu amostras de respiração, ar ambiente e sangue durante o seu voo espacial entre 2018 e 2019 / Anne Macclain/Nasa

“O nosso estudo mostra que ao chegar ao espaço, mais glóbulos vermelhos são destruídos, e isto continua durante toda a duração da missão do astronauta”, disse ele.

O time de pesquisadores desenvolveu formas de medir a destruição de glóbulos vermelhos, incluindo a medição das quantidades de monóxido de carbono detectadas nas amostras de hálito dos astronautas. Cada vez que uma molécula de hemoglobina, ou o pigmento vermelho de assinatura nos glóbulos vermelhos do sangue, é destruída, cria-se uma molécula de monóxido de carbono.

A equipe não conseguiu medir diretamente a produção de glóbulos vermelhos nos astronautas, mas eles esperam que os astronautas tenham experimentado a geração de glóbulos vermelhos extra em resposta ao aumento da destruição. Se isso não tivesse ocorrido, todos os astronautas teriam sofrido os efeitos e problemas de saúde associados à anemia grave enquanto se encontravam no espaço.

“Felizmente, ter menos glóbulos vermelhos no espaço não é um problema quando o seu corpo está sem peso”, disse Trudel. “Mas quando voltar à Terra e potencialmente em outros planetas ou luas, a anemia que afeta a sua energia, resistência e força pode ameaçar os objetivos da missão. Os efeitos da anemia só se fazem sentir quando aterramos, e temos de lidar novamente com a gravidade”.

Efeitos a longo prazo

Após o regresso à Terra, cinco dos 13 astronautas foram diagnosticados como clinicamente anêmicos. Um dos astronautas não teve recolha de sangue após a aterragem.

As amostras de acompanhamento recolhidas dos astronautas mostraram que a anemia espacial é reversível, porque a contagem de glóbulos vermelhos regressou progressivamente ao normal entre três a quatro meses após o regresso.

No entanto, amostras recolhidas um ano após o desembarque dos astronautas na Terra mostraram que a taxa de destruição de glóbulos vermelhos continuava aumentada, cerca de 30% acima do que se verificava antes do seu voo espacial.

A astronauta da Nasa Anne McClain com equipamento biomédico para a Marrow na Estação Espacial Internacional / Nasa

Os investigadores acreditam que isto sugere que as missões espaciais de longa duração poderiam resultar em mudanças estruturais com impacto nos glóbulos vermelhos.

Os achados são os primeiros resultados publicados da Marrow, uma experiência que examina a saúde da medula óssea e a produção de sangue quando os astronautas estão no espaço.

Os resultados sublinham a importância do rastreio tanto dos astronautas como dos turistas espaciais para condições de saúde que possam ser afetadas pela anemia e quaisquer problemas durante as missões. Um estudo anterior de Trudel e da sua equipe revelou também que missões espaciais mais longas agravam a anemia.

Por enquanto, é incerto quanto tempo o corpo humano pode suportar uma taxa maior tanto de destruição como de produção de glóbulos vermelhos.

A fim de combater este risco, os investigadores sugerem que as dietas dos astronautas sejam alteradas para apoiar uma melhor saúde sanguínea.

As lições aprendidas com esta investigação poderiam também ser aplicadas aos doentes com anemia na Terra, especialmente aqueles que a experimentam após uma doença e um descanso prolongado no leito. Embora a causa direta deste tipo de anemia seja desconhecida, ela pode ser semelhante ao que acontece no espaço.

“Se conseguirmos descobrir exatamente o que está a causar esta anemia, então existe um potencial para a tratar ou prevenir, tanto para os astronautas como para os doentes aqui na Terra”, disse Trudel. “Esta é a melhor descrição que temos do controle dos glóbulos vermelhos no espaço e após o regresso à Terra. Ficamos surpresos e recompensados pela nossa curiosidade”.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN