Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Brasil soma 82.288 novos casos de Covid-19; média móvel de mortes é de 2.075

    No dia que o país alcançou 500 mil mortes pela doença, número de óbitos em 24 horas é de 2.301

    Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo

    No dia que o país registrou a triste marca de 500 mil mortes pela Covid-19, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgou, neste sábado (19), que o Brasil registrou 2.301 mortes e 82.288 novos casos da doença nas últimas 24 horas.

    Com a atualização, o país soma 500.800 mortes e 17.883.750 contaminados pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, em março de 2020. 

    A média móvel de mortes ficou em 2.075 neste sábado, o número corresponde ao balanço de mortes registradas nos últimos sete dias. O índice vem apresentando alta no mês de junho. 

    Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP)
    Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (SP)
    Foto: Amanda Perobelli – 26.jun.2020/Reuters

     

    Dentre os estados brasileiros mais afetados pela doença, estão São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Santa Catarina; cada uma destas regiões já soma 1 milhão de infectados pela Covid-19.

    São Paulo é o estado com maior número de mortes, são 121 mil óbitos pela doença. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, com 54 mil vítimas fatais, e depois Minas Gerais, com 44 mil mortes

    500 mil vidas perdidas

    O país ultrapassou neste sábado a marca de 500 mil mortos pela Covid-19. O Brasil é a segunda nação no mundo com o maior número de vítimas da Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que registram 601.574 mortes, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

    A marca de 100 mil mortes pela Covid-19 foi no dia 8 de agosto de 2020, 143 dias após o registro do primeiro óbito. No dia 7 de janeiro, o número chegou a 200 mil. Pouco mais de dois meses depois, em 24 de março, foram confirmadas 300 mil mortes. No dia 29 de abril, os índices superaram as 400 mil vítimas.